VIAS EXPRESSAS PARA CICLISTAS: A OPÇÃO ALEMÃ PARA OS DESCOLAMENTOS CASA-TRABALHO

VIAS EXPRESSAS PARA CICLISTAS: A OPÇÃO ALEMÃ PARA OS DESCOLAMENTOS CASA-TRABALHO

Com um investimento de 25 milhões de euros, o governo alemão pretende expandir sua rede de vias expressas para ciclistas. O objetivo é atender ao crescente número de pessoas que passaram a utilizar a bicicleta e percorrem longas distâncias até o local de trabalho ou estudo

 

Uma realidade alemã: as “autobahns” para ciclistas.  Sem semáforos nem cruzamentos, seria possível chegar muito mais rapidamente à universidade ou ao trabalho e, ao mesmo tempo, aliviar o tráfego das já saturadas auto-estradas. Deslocamentos entre cidades, ou do subúrbio ao centro de bicicleta são uma boa ideia tendo em vista as rodovias congestionadas, a poluição do ar e além tudo um combate ao sedentarismo e um grande incentivo à melhoria da saúde e qualidade de vida.

Percorrer em bicicleta distâncias de até  20 km não seriam empecilhos para o cidadão alemão, é o que aponta um recente estudo do Instituto Federal de Pesquisas em Construção, Urbanismo e Desenvolvimento Espacial (BBSR) – a média dos deslocamentos entre casa-trabalho ou casa-estudo é de 16,8 quilômetros.

Marcus Peter, da Universidade Técnica de Hamburgo (TUHH), analisou onde faz sentido a construção de vias expressas para bicicletas na região metropolitana da cidade localizada ao norte da Alemanha. As vias expressas são destinadas, principalmente, às pessoas que usam a bicicleta para percorrer trechos entre cinco a dez quilômetros explica o pesquisador. "Se o caminho é mais longo, as pessoas tendem a não percorrê-lo de bicicleta”. Porém, mesmo que o trabalhador tenha que percorrer, em média, mais de dez quilômetros para chegar a seu local de trabalho, Peter diz que o investimento em autobahns para bicicletas traria vantagens significativas. "Vejo um grande potencial para quem tem que percorrer uma faixa de até dez quilômetros, o que pode gerar um alívio do tráfego nas rodovias", opina.

Marcus Peter endossa o estudo de viabilidade do projeto Radschnelweg Ruhr (via expressa para bicicletas do Ruhr), a RS1, a ser executado na região no oeste do país. Com seus mais de 100 quilômetros, a autobahn para bicicletas acabaria com cerca de 52 mil viagens de carros diárias. O projeto prevê  a ligação, até 2020 das cidades de  Duisburgo e Hamm, conectando ainda outras dez cidades e reduzindo as emissões de CO² da Alemanha em 16,6 mil toneladas por ano. O primeiro trecho entre as cidades de  Essen e Mülheim an der Ruhr já está pronto. A construção recebeu fundos da União Europeia, do estado da Renânia do Norte-Vestfália e da Associação Regional do Ruhr (RVR).

O projeto também ganha força graças à crescente popularização das e-bikes/bicicletas elétricas. As bicicletas a pedalada assistida exigem menor esforço do usuário, portanto não é necessário um grande preparo físico, além disso é possível percorrer distâncias maiores com tempos aceitáveis, se comparados aos de um deslocamento feito com automóveis.

Para o pesquisador as vias expressas são muito mais que uma simples opção para deslocamentos casa-trabalho/casa-escola. Essas vias poderiam, sem nenhum problema, ser utilizadas para ir às compras ou ao cinema. O cidadão ganharia muito mais flexibilidade. Além disso, quem quer sair à noite geralmente tem problemas para voltar para casa devido a ônibus e trens que não operam depois de certa hora, com as vias expressas o usuário teria a segurança garantida por circular em uma via segregada.

As primeiras vias expressas construídas na Alemanha foram custeadas por municípios e estados. O aporte de 25 milhões de euros (R$ 83 milhões)  do governo federal para muitos é um "importante sinal político"; no entanto, o orçamento é muito pequeno para ser dividido por toda a Alemanha. O custo de um quilômetro de via expressa para bicicletas custa entre 500 mil  e 2 milhões de euros (R$ 1,6 a 3,2 milhões), assim com o valor destinado pelo governo,  apenas poderiam ser construídos entre  12 e 50 quilômetros .Por isso, a ADFC pede que o investimento seja multiplicado por dez, o que resultaria em cerca de 300 quilômetros de vias expressas para bicicletas no país. Bernard Meier, porta-voz da Secretaria de Transportes da Renânia do Norte-Vestfália, destaca o valor relativamente baixo quando comparado com autobahns projetadas para os deslocamentos automotivos que custam entre 15 milhões e 20 milhões de euros por quilômetro.

(Deutsche Welle)

Admin

28 Abril 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

Fabricantes europeus estão fazendo um movimento de retorno, levando suas produções para mais perto da sua rede de distribuição na Europa. Agilidade nas entregas e possibilidade de atender a costumização estão sendo levados em conta por grandes players do setor