SÃO PAULO ESTUDA SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO SEM ESTAÇÕES

SÃO PAULO ESTUDA SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO SEM ESTAÇÕES

A comitiva da prefeitura da capital paulista que visitou a China no último mês de julho retornou da viagem com a ideia de adaptar para na cidade de São Paulo o sistema de compartilhamento sem estações. Segundo o secretário de Transportes, Sérgio Avelleda, o , o modelo chinês servirá de base, porém, seguindo uma tendência de países europeus, com uma maior regulamentação para impedir que calçadas sejam bloqueadas. O sistema funcionará por aplicativos, com controle, bloqueio e destravamento feitos por GPS A expectativa é que o lançamento do novo sistema de aluguel de bicicletas da cidade de São Paulo seja feito até o fim de setembro. Ainda segundo o secretário de Transportes, não haverá licitação ou exclusividade para que as empresas operem o sistema. Segundo Avelleda: “Para atender aos ciclistas, qualquer companhia será bem vinda, desde que atenda pré-requisitos estipulados pela prefeitura”. Um dos critérios apresentados é de credenciar apenas empresas que estejam dispostas a operar na periferia da cidade e não apenas nas cobiçadas regiões centrais.

Nessa proposta os empréstimos terão períodos maiores do que o usual e cogita-se o empréstimo noturno com o usuário podendo levar a bicicleta para casa e utiliza-la na manhã seguinte. Para Avelleda: “a pessoa chega em Itaquera, pega a bicicleta, a leva para casa e pode usá-la no dia seguinte para voltar a estação. Se tiver só 30 minutos não vai querer alugar”, apresentando uma realidade das periferias aonde muitos dos usuários se deslocam até terminais de ônibus ou estações do metro para depois seguirem ao trabalho. O secretario esteve reunido com empresários da operadora Mobike e para estes deixou claro que a bicicleta não pode comprometer o espaço publico, atrapalhar o pedestre ou o cadeirante. A proposta da prefeitura é de se trabalhar com estações, a meta oficial é de 2500 ou dez vezes mais do que a cidade conta atualmente. Vale ressaltar que o setor não tem uma regulamentação na cidade, por esse motivo não houve expansão do sistema e que o Tribunal de Contas do Município suspendeu duas concorrências públicas abertas pela prefeitura para tentar atrais novas operadoras para o sistema de compartilhamento de bicicletas na cidade de São Paulo

Fotos: Divulgação

(RedeNossaSãoPaulo/Folha de São Paulo)

Admin

07 Setembro 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

Alunos da Universidade Federal do Espirito Santo – UFES - estudaram por mais de 4 meses as ciclovias de Vitoria. O resultou em quatro projetos que foram apresentados no seminário E aí, vamos de Bike?