QUEM PEDALA UMA E-BIKE USA CADA VEZ MENOS O CARRO

QUEM PEDALA UMA E-BIKE USA CADA VEZ MENOS O CARRO

Um novo estudo sobre os hábitos comportamentais de pessoas que passaram a utilizar uma e-bike para seus deslocamentos concluiu que elas, ao longo do tempo, passaram a deixar cada vez mais seus carros em casa

A descoberta é atribuída, em parte,  às pessoas que descobriram que uma bicicleta a pedalada assistida os leva mais longe do que talvez pudessem, anteriormente, ir com uma bicicleta tradiciona. Na verdade, os pesquisadores descobriram que os usuários de e-bikes faziam viagens em média 340% mais longas em um dia, mas também aparentemente faziam mais viagens.

Os dados coletados apontam que normalmente os ciclistas cobririam uma média de 2,1 quilômetros, enquanto os usuários de e-bikes iriam aumentar seus percursos para uma distância média diária de 9,2 quilômetros.

Sediados em Oslo, Noruega, onde as taxas de ciclismo não são tão altas quanto em outros países da Europa, os autores argumentam que os efeitos poderiam ser mais amplos onde a cultura da bicicleta está mais popularizada.

Como parte da participação da bicicleta elétrica nas viagens realizadas, a contagem média cresceu muito rapidamente para atingir  49% das viagens feitas, contra 17% de anteriormente.  Isso significa que a e-bike rapidamente começou a canibalizar viagens que de outra forma seriam feitas em transporte público ou a pé. Talvez mais interessante é que as viagens movidas a pedal permaneceram bastante estáticas.

Temendo que a tendência diminuísse à medida que a novidade passasse, os pesquisadores tomaram um tempo extra para avaliar a tendência e descobriram que, com o tempo, os usuários estavam realmente pedalando mais. Eles também tiveram a vantagem de trabalhar com um grupo de comparação de compradores em potencial de e-bike. Isso, dizem os autores, mostrou que “estudos que não incluem um grupo de comparação correm o risco de super ou subestimar a influência de uma e-bike, dependendo da época do ano”.

“A evidência de nossos dados funciona contra um efeito de novidade para usuários de curto prazo. Em vez disso, confirma descobertas anteriores que indicam que as pessoas tendem a passar por um processo de aprendizagem onde descobrem novos propósitos de viagem para onde usar a e-bike”, diz o estudo.

A pesquisa, na verdade, tem raízes que datam de 2014, quando as primeiras pesquisas foram enviadas para um grupo de novos usuários de e-bike, o que significa que a mudança sazonal pode ser levada em consideração nas descobertas. No total, diários de viagem de 954 participantes foram rastreados detalhando como as pessoas se moviam.

“O fato de os resultados observados serem os mesmos quando comparados com uma amostra mais ampla e mais representativa da população pode potencialmente ter implicações diretas nos cálculos dos benefícios socioeconômicos de apoiar e-bikes”, escreveram os autores da pesquisa, especulando que o e -O potencial da bicicleta para mudar os padrões de transporte pode ser exponencial com a promoção certa dos formuladores de políticas.

“O ‘efeito e-bike’, ou seja, a mudança em km percorridos de antes para depois para o grupo de pessoas foi de 6,1 km (representando uma participação da bicicleta de 28 por cento) em relação ao grupo de comparação. No estudo de 2013, os participantes receberam uma e-bike para usar por duas semanas. Aqui encontramos um 'efeito e-bike' de 6,6 km (20% de participação da bicicleta). Levando os tamanhos de efeito em consideração, a grande mudança que encontramos na atividade para usuários de e-bike de curto prazo é replicada com clientes reais. No mínimo, a mudança na participação da bicicleta é um pouco maior do que era para os usuários de curto prazo", destaca o estudo.

(Cycling Industry News)

Admin

08 Setembro 2020

Mobilidade

Comentários

Destaque

Os quadros de aço de elevada tecnologia em sua construção poderão ser a nova tendência do mercado. Empresa alemã desenvolveu um novo tipo de liga de aço altamente durável, com maior resistência e rigidez do que o alumínio com as capacidades de formação de carbono e ainda por cima com a produção dos quadros totalmente robotizada