PROGRAMA BICICLETA BRASIL É SANCIONADO, MAS RECURSOS DAS MULTAS FORAM VETADOS

PROGRAMA BICICLETA BRASIL É SANCIONADO, MAS RECURSOS DAS MULTAS FORAM VETADOS

Na última sexta-feira (05/10) foi publicada no Diário Oficial da União  a Lei 13.724 de 2018, que instituiu o Programa Bicicleta Brasil (PBB), que tem o objetivo de incentivar novas alternativas de mobilidade. Porém , a destinação de 15% do valor arrecadado com multas de transito ao programa foi vetado pela Presidência da República.

O programa visa aumentar a construção de ciclovias, ciclofaixas e faixas compartilhadas; a implantação de sistemas de compartilhamentos  bicicletas a baixo custo em terminais de transporte coletivo, centros comerciais e locais de grande fluxo; a construção de bicicletários nos terminais de transporte; a instalação de paraciclos ao longo das vias e estacionamentos apropriados; e a realização de campanhas de incentivo ao uso da bicicleta.

A lei tem origem no Projeto de Lei da Câmara (PLC) 83/2017, aprovado no Senado no início de setembro. As regras entram em vigor daqui a 90 dias.

Durante sua tramitação no Congresso, o Programa Bicicleta Brasil teve o apoio oficial da União dos Ciclistas do Brasil (UCB) e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Para estas entidades, o reforço ao uso das bicicletas poderá trazer importantes benefícios econômicos e sociais ao país.

O programa irá receber recursos da CIDE-Combustíveis (com percentual a ser definido em regulamento), de repasses dos governos federal, estadual e municipal, de doações de organismos de cooperação internacionais e nacionais, de empresas e até de pessoas físicas.

Depois de consulta aos Ministérios das Cidades e do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, foi vetada a destinação ao Programa de 15% dos recursos arrecadados com multas de trânsito. O valor total arrecadado com as multas gira em torno de R$ 9 bilhões por ano – portanto, seriam destinado ao PBB cerva de  R$ 1,3 bilhão.

Na explicação para o veto, consta que o dispositivo poderia “acarretar o enfraquecimento dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, pois compromete os valores destinados a cobrir os custos e despesas com rotinas e procedimentos relativos à autuação das infrações, podendo acarretar insuficiência de fiscalização e consequente sensação de impunidade”. Além do mais, a Emenda Constitucional 93, de 2016, prorrogou a desvinculação de receitas da União, estados, Distrito Federal e municípios – afetando os valores arrecadados e transferidos em decorrência das multas de trânsito.

Foi vetada ainda a alteração da divulgação anual para mensal por parte dos órgãos de trânsito do total de receitas arrecadadas com multas. Essa divulgação é feita pela internet.

 

fotos: Jefferson Rudy/Agência Senado e Pedro França/Agência Senado

(Agência Senado)

Admin

08 Outubro 2018

Mobilidade

Comentários

Destaque

As bicicletas elétricas vem provocando um expressivo aumento nas vendas. Junto ao bom desempenho comercial, muitas empresas estão buscando novas soluções para garantir maior autonomia e melhor desempenho das baterias. Com a utilização de Grafeno aliado à nanotecnologia as baterias para e-bikes, em breve, devem passar por uma revolução