PERNAMBUCO RETOMA ESCRITÓRIO DA BICICLETA

PERNAMBUCO RETOMA ESCRITÓRIO DA BICICLETA


Pernambuco retoma o projeto do Escritório da Bicicleta com a proposta de que este seja um mecanismo de cobrança mútua entre o Governo do Estado e as 14 prefeituras da região metropolitana de Recife para que se leve adiante o Plano Diretor Cicloviário que previa 591 km de ciclovias, ciclofaixas e ciclorotas


O Escritório da Bicicleta entra mais uma vez em ação, desta vez na tentativa de levar adiante o projeto de 591 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas até 2020. A primeira reunião da instância de gestão participativa do Plano Diretor Cicloviário – o PDC - contou com a presença de representantes dos 14 municípios da Região Metropolitana do Recife e de outras 30 entidades envolvidas com a ciclomobilidade. Em conjunto com a retomada do EB, o estado de Pernambuco assinou um termo de cooperação técnica, que terá a duração de oito meses, com o ITPD – Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento para a revisão das politicas dirigidas à mobilidade em bicicleta e com isso compatibilizar demandas e ações.

O Plano Diretor Cicloviário da Região Metropolitana do Recife foi lançado em fevereiro de 2014; trata-se de um documento que contém as diretrizes para implantação da infraestrutura e demais ações necessárias à promoção e ao incentivo do uso da bicicleta de maneira segura pelos ciclistas. O PDC foi construído a partir de diversos estudos e significativa participação de várias instituições da gestão estadual e das gestões municipais da RMR, além da sociedade civil e do setor produtivo.

O gestor de ciclomobilidade da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Permanbuco explica a nova fase do Escritório e a mudança para torna-lo ativo: “Identificamos que havia um freio no desenvolvimento do PDC além da questão orçamentária, e o foco era na gestão. Tentamos fazer contato corpo a corpo e percebemos enorme dificuldade. O Escritório já existia tacitamente, mas ele não era uma instância que contava com reuniões, atas, obrigações “. Para Torres o principal desafio é tirar do papel a malha ciclioviária complementar: “O estado não tem ruas e avenidas. Quem tem são os municípios. Então a gente precisa da colaboração deles para traçar as linhas de implantação, correr atrás de orçamento. Nossa intenção é interferir, potencializar o direcionamento de orçamento para a estrutura cicloviária” .

O desafio é interligar os percursos para os ciclsitas e formar uma rede lógica, necessária, por exemplo, na PE-15, em Olinda, que terá uma antiga ciclovia requalificada pela Secretaria Estadual de Turismo, Esportes e Lazer (Seturel) até o fim de 2018, mas ainda carece de comunicação com rotas no restante da cidade.  A requalificação do trecho será a quarta etapa do Eixo Cicloviário Camilo Simões, com 30 km até Igarassu. A primeira parte, do Marco Zero à Fábrica Tacaruna com 5,1 km, foi entregue na última semana de abril,recebeu R$ 2,4 milhões de investimento com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, e foi executada pelo Governo do Estado de Pernambuco, por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo - Prodetur. O Eixo Cicloviário compreende a Avenida Rio Branco, Ponte Maurício de Nassau, Av. Martins de Barros, Praça da República, Ponte Princesa Isabel, Rua da Aurora, Av. Prefeito Artur Lima Cavalcanti, Av. Dr. Jaume da Fonte e Av. Governador Magalhães e deve atender cerca de 3,5 mil ciclistas diariamente para deslocamento. Ainda falta implantar o trajeto até o Varadouro, em Olinda com 2,9 km, com licitação prevista para o mês de maioe do Varadouro ao início da PE-15 de 1,71 km para, só então, as obras contemplarem os 11 km da ciclovia da rodovia estadual. 

O coordenador da AMECICLO – Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife- Pedro Luiz dos Santos, vê como fundamental o Escritório da Bicicleta para transformar o Plano Diretor Cicloviário em realidade. “O PDC e a própria gerência de ciclomobilidade dançou entre pastas. A gente vê que a demora esta muito ligada a fatores políticos, de simplesmente escantear a bicicleta da prioridade do estado e municípios”, declarou o cicloativista. Segundo o secretário de Turismo, Esportes e Lazer, Felipe Carreras, o caminho é através da participação de todos os envolvidos:  “Abrir o diálogo com os órgãos públicos e as entidades envolvidas com a ciclomobilidade é fundamental dentro das perspectivas do Governo de Pernambuco de priorizar o modal de transporte sustentável no cenário da mobilidade urbana. Vamos desenhar as linhas de execução do PDC, de forma conjunta, planejando, debatendo e propondo soluções”, sustenta Carreras. 

(Gov. Pernambuco-Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer)

Admin

10 Maio 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

No Rio Grande do Sul legisladores aprovam projeto de lei que prevê ciclovias em todos os projetos rodoviários ou em estradas em fase de construção