Pedalar pode servir como escape do sedentarismo e do trânsito intenso

Pedalar pode servir como escape do sedentarismo e do trânsito intenso

O novo ano chegou e, com ele, as novas resoluções; a sãopaulo reuniu sugestões de atividades físicas (e lugares onde praticá-las) para quem planeja um 2016 suando a camiseta

A bicicleta tem sido assunto recorrente na cidade de São Paulo, dadas as recentes inaugurações de ciclovias.

Concorde-se ou não com a qualidade e a eficácia dessa malha cicloviária, fato é que a magrela serve não apenas como meio de locomoção mas também pode ser um jeito agradável de deixar o sedentarismo.

Mas não é por achar que pistas exclusivas para bikes são mais seguras que pessoas desacostumadas devem crer que já dominam os pedais.

"Eu, que tenho 60 anos de idade, corri de bicicleta, fui campeão, ainda estou aprendendo até hoje a pedalar na cidade", afirma Arturo Alcorta, 60, um dos responsáveis pela Escola de Bicicleta, grupo fundado em 2000 que dá aulas para pessoas de qualquer idade que não sabem andar de bicicleta.

"A maioria dos nossos alunos tem de 40 anos para cima. Por incrível que pareça, o número de paulistanos que não sabe pedalar é absurdo."

Para quem já sabe se equilibrar sobre um selim e quer seguir em 2016 andando mais de bicicleta a sugestão é participar de passeios realizados por grupos de ciclistas nos quais, para entrar, geralmente deve-se comprar uma camiseta que vale pelo ano todo. Um deles é o Sampa Bikers.

"Faz-se amigos nessas pedaladas. São conhecidos que se reúnem para passear em segurança", diz Paulo de Tarso, 61, presidente do grupo.

"A pessoa se sente à vontade. Trabalhamos a cabeça também, vira quase que um grupo de terapia", conta Teresa D'Aprile, 67, fundadora do grupo Saia na Noite, voltado para mulheres. "Tem que saber pedalar. Mas nosso ritmo é lento, sempre acompanhando o último [da fila]."

PARA COMEÇAR

Sugestões para quem quer começar a pedalar

Faixa de preço
Grátis nas ruas, nos parques, ciclovias e ciclofaixas. Em grupos de pedaladas, geralmente cobra-se um valor para o ano inteiro

Tempo disponível necessário
Pelo menos cerca de meia hora, três vezes por semana

Indicado para quem
Pessoas que gostam de atividade ao ar livre

Tempo de prática para os primeiros resultados
Segundo Arturo Alcorta, 60, da Escola de Bicicleta, cerca de 70% dos que não sabiam pedalar já têm maior autonomia após a terceira aula. Para condicionamento físico, após um mês de uso frequente da bicicleta é possível notar melhoras na respiração e na resistência

Onde e com quem praticar

SP de Bike
Segundo a prefeitura, São Paulo tem 370,1 km de vias destinadas a ciclistas espalhadas pela cidade
cidadedesaopaulo.com/spdebike

Escola de Bicicleta
Dá aulas para quem de fato não sabe pedalar, de crianças a adultos (R$ 100 por aula de uma hora)
www.escoladebicicleta.com.br

Sampa Bikers
Faz passeios noturnos toda quarta. Deve-se ter uma bicicleta e usar a camiseta do clube (R$ 100)
www.sampabikers.com.br

Saia na Noite
Voltado para mulheres, faz passeios às terças. A camiseta é vendida por R$ 100
www.saiananoite.com.br

Loko Bikers
Organiza passeios às segundas, quintas e sábados (nível moderado) e quartas (para iniciantes)
facebook.com/lokobikers 

(Folha de S. Paulo/ Foto José Cordeiro)

Admin

11 Janeiro 2016

Mobilidade

Comentários

Destaque

Um engenheiro italiano desenvolveu um protótipo de uma bicicleta com rodas sem raios que pode ser dobrada como se fosse um guarda-chuvas. Feita de alumínio, a bicicleta foi criada por Gianluca Sada, que patenteou o sistema inovador de aros que dispensa os tradicionais raios das rodas comuns de bicicletas e motocicletas