NOVO BIKE SAMPA É AMPLIADO E SISTEMA AGORA É PAGO DESDE A RETIRADA DA BICICLETA

NOVO BIKE SAMPA É AMPLIADO E SISTEMA AGORA É PAGO DESDE A RETIRADA DA BICICLETA

O novo modelo do sistema de compartilhamentos da capital paulista, o Bike Sampa foi reformulado. Na primeira fase que acaba de ser colocada em funcionamento foram disponibilizadas 25 estações e 250 bicicletas; a grande alteração para o usuário , além das novas bicicletas,  e que este pagará pela utilização da bicicleta desde a sua retirada

O sistema de compartilhamento de bicicletas da cidade de São Paulo que foi colocado em funcionamento em 2012 entrou em uma nova fase. Após um período de transição, aonde algumas estações estavam praticamente desativadas, a prefeitura da cidade, em parceria com um grande banco começam a implantar o novo Bike Sampa, operado pela tembici e que terá até o fim do primeiro semestre deste ano:  2.600 bicicletas e 260 estações espalhadas pelo centro e em terminais de ônibus da periferia.

Na primeira fase do programa, serão 25 estações, com 250 bicicletas distribuídas em pontos estratégicos da cidade, como o Largo da Batata, em Pinheiros. Uma das novidades são as diversas formas de acesso ao projeto de compartilhamento. Os planos deverão ser adquiridos via cartão de crédito ou dinheiro, e as bicicletas poderão ser retiradas por aplicativo, cartão de transporte ou cartão de usuário. Haverá também a possibilidade de o usuário não cadastrado no sistema comprar o plano diretamente nas estações com totem de atendimento, ou seja, sem necessidade de cadastro prévio no site do Bike Sampa facilitando o acesso. Cerca de 30% das estações oferecerão esse diferencial, todas distribuídas em locais estratégicos da capital paulista. 

O sistema que tinha em seu primeiro projeto a utilização gratuita na primeira hora de uso, agora passa a ser pago . Para utilizar o Bike Sampa o usuário poderá adquirir um dos planos pelo site, aplicativo e ponto físico de atendimento. A compra de um plano dará direito a viagens ilimitadas de até 60 minutos, com intervalos de 15 minutos entre elas. Caso as viagens tenham mais que 60 minutos, e a regra do intervalo não for respeitada, os excedentes serão tarifados em R$ 5 a cada uma hora excedente.  Apesar dos nomes induzirem a uma interpretação de que a bicicleta poderá ser utilizada por um dia ,trata-se de um uso limitado a uma hora, passado esse período o usuário paga por hora de uso.

Outra novidade que será inaugurada no mês de março  é o Estação Bike, que disponibilizará 500 bicicletas distribuídas em cinco estações, localizadas em terminais de transporte público de áreas com grande movimento. O usuário que retirar uma bike em uma dessas estações poderá usá-la por até 12 horas consecutivas. Ou seja, será possível ir com ela para casa, após o retorno do trabalho, e devolvê-la no dia seguinte na mesma estação. Para ter direito à retirada nesse modelo, será  necessário que o usuário tenha adquirido qualquer um dos planos disponíveis e que ele esteja válido no momento do empréstimo.

Os locais definidos para  a implantação do Estação Bike são os terminais de ônibus de Itaquera e Tatuapé, na Zona Leste; Capelinha e Jabaquara, na Zona Sul; e Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte. A previsão é que duas estações desse modelo estejam disponíveis para a população até 2 de março.

“Oferecer a possibilidade do serviço de bicicleta compartilhada é um passo muito importante na direção da mobilidade ativa na cidade de São Paulo. As pessoas poderem usar bicicletas sem serem donas, podendo recolhê-las ou devolvê-las onde acharem melhor, oferece flexibilidade e a oportunidade de se deslocarem na cidade de bicicleta”, diz Sérgio Avelleda, secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo. Para Avelleda, o novo programa de compartilhamento de bikes beneficia a mobilidade em todas as regiões da cidade de São Paulo: " O  novo programa das bikes compartilhadas vai favorecer o uso de bicicletas com multioperadores, com acesso pelo Bilhete Único e implantação de bicicletas na região periférica da cidade. Trata-se de uma política pública de grande êxito”, conclui ele.

A superintendente de Relações Governamentais e Institucionais do Itaú Unibanco, Luciana Nicola, apontou que o objetivo da troca do sistema é tornar a experiência do compartilhamento de bicicleta na capital paulistana mais segura, confortável, eficiente e sustentável. “É uma nova fase do Bike Sampa que se inicia, com novos equipamentos e tecnologias inovadoras. Esse novo momento é mais uma demonstração do quanto nós acreditamos cada vez mais na causa da mobilidade urbana e na relevância que as bicicletas podem ter como meio de transporte nas cidades”, destaca Luciana.

Tomás Martins, CEO da tembici., afirma estar satisfeito por implantar no Brasil o sistema mais utilizado de bicicletas compartilhadas no mundo. “Além de trazer nova tecnologia, nós estudamos os sistemas de mais sucesso e aplicamos os processos de gestão e distribuição das estações no novo Bike Sampa. A tembici. repensou todo o projeto, e o usuário agora poderá contar com um projeto de bicicletas compartilhadas funcional para seu dia-a-dia”, ressalta.

No projeto Bike Sampa, em média, cada estação terá 18 bicicletas. "Estações de grande uso terão capacidade maior para receber e emprestar bicicletas. O Largo da Batata será uma das maiores estações da cidade, com pelo menos 40 vagas. É uma estação troncal que está próxima do metrô e perto de ciclovia. Já outras estações terão 14, 18, 20 vagas. Vai variar de acordo com o local", acrescentou Martins, da tembici

Veja o que muda no sistema de compartilhamento da cidade de São Paulo

Nas bicicletas:

- design mais moderno e exclusivo para compartilhamento, sendo mais leves, ergonômicas e robustas;

- cesto adaptável para o tamanho da bagagem de mão do ciclista, sem acumular água ou sujeira;

- pneus com lados reflexivos e Aro 24 proporcionam uma pedalada mais dinâmica, segura e confortável. Possui tecnologia antifurto, exclusiva no Brasil;

- cobre-corrente, que protege a roupa do ciclista;

- selim confortável e canote com marcação para ajuste de altura;

- sistema de freio “Roller Brake” (freio de rolete), que garante freadas mais seguras;

- configuração de marchas para três velocidades;

- refletores frontais e traseiros com sistema de iluminação “Dynamo”, com 10 mil horas de vida útil e que permanece aceso por até 90 segundos, dando mais segurança ao ciclista que aguarda no semáforo;

- dispositivo de trava com sistema antifurto.

Nas estações:

- layout exclusivo, sendo concebidas para operar de forma ágil, inteligente e simples;

- abastecimento por painéis solares que garantem a autossuficiência energética (preparadas para eventual uso de bicicletas elétricas);

- solução modular para as bicicletas, sendo possível adicionar ou removerdocks (suporte de estacionamento de bicicletas), conforme a necessidade, sem precisar de fixação ao solo;

- média de 18 vagas por estação;

- quiosques com interface de pagamento digital, de forma mais didática e de fácil utilização, com comunicação sem fio que agiliza o processamento de pagamentos e a transmissão de dados.

No aplicativo, o ciclista pode:

- planejar o passeio, pagar e desbloquear a bicicleta com o código gerado pelo aplicativo;

- encontrar estações próximas manualmente ou usando o GPS do dispositivo;

- encontrar bicicletas disponíveis por pontos de devolução livres;

- marcar as estações favoritas;

- encontrar rota para um destino com informações de distância e elevação;

- registrar as viagens com o GPS.

Regras de utilização do novo Bike Sampa:

-  o cadastro deve ser atualizado no site www.bikeitau.com.br ou pelo aplicativo Bike Itaú;

- o usuário só pode pegar uma bicicleta emprestada se tiver um plano válido;

- todos os planos dão direito ao cartão do usuário (opcional). O valor do cartão com o frete é de R$ 5;

- os planos mensal e anual podem ser adquiridos pelo aplicativo Bike Itaú (disponível para sistemas Android e IOS), no site www.bikeitau.com.br e no ponto físico de atendimento na Rua José Bento, 314, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, com pagamento somente em dinheiro;

- os planos diários e para três dias podem ser comprados pelo aplicativo Bike Itaú, no site e também diretamente nas estações de autoatendimento. Não haverá venda na sede física;

- o usuário poderá fazer viagens ilimitadas de até 60 minutos, com intervalos de 15 minutos entre elas. Caso tenham mais que 60 minutos, e a regra do intervalo não for respeitada, a  hora excedente será tarifada em R$ 5;

- viagens sem respeitar o intervalo de 15 minutos serão tarifadas à parte, no valor de R$5, acada 60 minutos excedentes;

- as viagens que não excederem o período normal de uso não terão qualquer pagamento adicional. Porém, se o usuário retirar a bicicleta antes do intervalo de 15 minutos, sua utilização será cobrada e contabilizada como se fosse uma só viagem;

- o empréstimo da bicicleta pode ser feito através do App, diretamente na estação, usando o cartão do usuário ou o Bilhete Único, que o usuário deve cadastrar no site ou aplicativo;

- os valores dos planos:  diário R$8;  por três dias, R$ 15;  mensal, R$ 20; e anual, R$ 160;

- o pagamento pode ser realizado pelo App Bike Itaú, no site www.bikeitau.com.br;  nos totens de autoatendimento, mas somente com cartão de crédito; e na sede do Bike Sampa, em dinheiro, localizada à Rua José Bento, 314, de segunda a sexta-feira das 8 às 17 horas.

Fotos: Heloisa Ballarini/SECOM

(Secretaria Especial de Comunicação SP)

Admin

01 Fevereiro 2018

Mobilidade

Comentários

Destaque

Levantamento da Secretaria de Finanças da cidade de Santos mostram que o crescimento no comércio voltado ao setor de bicicletas acompanha os da expansão da malha cicloviária na cidade da baixada santista.