NA HOLANDA DUAS CICLOVIAS FOTOVOLTAICAS COM MAIOR POTENCIAL GERADOR DE ENERGIA ENTRAM EM OPERAÇÃO

NA HOLANDA DUAS CICLOVIAS FOTOVOLTAICAS COM MAIOR POTENCIAL GERADOR DE ENERGIA ENTRAM EM OPERAÇÃO

As ciclovias além de contribuírem com a mobilidade e na redução de emissões de gases de efeito estufa, também podem colaborar para a geração de energia limpa. Recentemente, nos Países Baixos,  foram inauguradas ciclovias nas províncias de Brabante do Norte e Holanda do Norte com 1.000 metros quadrados do seu piso coberto com placas fotovoltaicas e capazes de gerar, cada uma, 160 MWh/ano de energia.  

Este é o primeiro projeto de ciclovias com placas fotovoltaicas em grande escala.

O projeto é da francesa Colas e a construtora holandesa BAM Royal Group desenvolvidos para atender uma iniciativa do Ministério de Infraestrutura e Meio Ambiente dos Países Baixos, lançada em 2018.

As ciclovias com captação de energia solar não são novidade na Holanda. Em 2016, uma ciclovia perto de Amsterdã foi equipada com painéis solares e outra foi construído em 2020, em Utrecht.  Porém esta nova versão tem potência aumentada (148 contra 119 Wp/m²),

A produção de energia fotovoltaica através de infra-estruturas de transporte e, em particular, de ciclovias que se estendem por 35.000 km nos Países Baixos, representa um potencial interessante, principalmente pelo peso reduzido das bicicletas e seu baixo impacto sobre as placas.

Nos Países Baixos devido à escassez de superfície, nos últimos anos institutos de pesquisa e empresas privadas têm tentado comprovar a viabilidade de projetos solares em terrenos não agrícola  incluindo superfícies de água como diques, telhados, áreas marítimas e nas ciclovias.

(Colas - PVMagazine)

Admin

30 Janeiro 2024

Mobilidade

Comentários

Destaque

Os patinetes elétricos são uma realidade mundial e estes já se encontram em praticamente todas as grandes cidades; seu uso também cresceu de forma vertiginosa. E com isso também houve um aumento dos acidentes, inclusive os mais graves. Na Europa as autoridades já pensam em uma normatização para exigir um mínimo de segurança para veículos elétricos leves pessoais