IMPERATRIZ, NO MARANHÃO, ESTUDA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIAS

IMPERATRIZ, NO MARANHÃO, ESTUDA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIAS

Segunda cidade mais populosa do Maranhão, com mais de 250 mil habitantes, Imperatriz faz estudos para a construção de ciclovias,  com isso melhorar a circulação na cidade e dar uma alternativa à mobilidade dos seus cidadãos

Até o final de outubro deste ano, a cidade de Imperatriz, no Maranhão, deverá iniciar os trabalhos de elaboração do Plano de Mobilidade Urbana e nele estarão incluídas novas ciclovias para a cidade. A segunda cidade mais populosa do Maranhão não possui dados sobre a quantidade de ciclistas ou acidentes com ciclistas que acontecem na cidade e por isso os técnicos envolvidos no projeto precisarão se debruçar com muita atenção para levar o projeto adiante.

Segundo o Secretário da Setran (Secretaria de Trânsito e Transporte), Leandro Braga, foi contratado um profissional para elaborar um projeto para melhorar a circulação na cidade e nessa proposta está a implementação das ciclovias. “Só posso colocar uma ciclovia depois que a gente concluir o plano de mobilidade urbana, porque tenho que ver qual via no município de Imperatriz que é possível ter a ciclovia, porque além de dar segurança para o ciclista, também temos que dar segurança para o pedestre e para os condutores”, argumentou o secretario.

A única ciclovia de Imperatriz está na Avenida Pedro Neiva e também serve de ligação com a cidade de João Lisboa, apresenta seu asfalto em péssimas condições. Para quem usa a bicicleta não há ligações seguras entre o centro e os demais bairros. A criação de ciclovias é alternativa para a melhoria do tráfego na cidade. A iniciativa conta com o apoio de órgãos oficiais, como o Detran. “Iria desafogar o trânsito, iria evitar a questão de acidentes […], tem muita gente que mora perto do trabalho e vai de carro por não ter uma estrutura adequada pra andar de bicicleta aqui em Imperatriz”, relata o diretor do Detran da cidade, Joaquim Moura.

Ciclistas da cidade, ligados aos grupos que pedalam diariamente na cidade e reúnem mais de 350 pessoas reclamam da falta de respeito por parte dos condutores que invadem as ruas preferencias mesmo quando um deles está trafegando por ela. “Não respeitam e desconhecem os direitos dos ciclistas”, relata Rogério Emílio de Souza cirurgião dentista e professor universitário, usuário da bicicleta ao menos cinco vezes por semana.
 

(Imperatriz Notícias)

Admin

24 Julho 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

Texto do Programa Bicicleta Brasil já está no Senado para análise. O PBB será financiado por multas, e a execução ficará sob responsabilidade dos setores públicos e privados ligados ao trânsito e à mobilidade urbana