ILHA DE COTIJUBA/PA TEM SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO DE BICICLETA GRATUITO PARA MORADORES

ILHA DE COTIJUBA/PA TEM SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO DE BICICLETA GRATUITO PARA MORADORES

A Ilha de Cotijuba, em Belém do Pará é uma área de proteção ambiental, localizada a 22 km de Belém do Pará, e para auxiliar no deslocamento de seus moradores e minimizar o impacto provocado pelo uso indiscriminado das motocicletas foi criado, em dezembro de 2022, um serviço gratuito de compartilhamento de bicicletas, conhecido por Plano das Bicicletas Douradas.

O Plano das Bicicletas Douradas surgiu da união de moradores de Cotijuba com integrantes do Coletivo ParáCiclo, que promove a cultura da bicicleta e da mobilidade ativa. O nome da iniciativa tem sua origem em registros históricos da ilha, considerando que estudiosos apontam como primeiros habitantes do local o povo Tupinambá, que denominou a área como Cotijuba (trilha dourada ou caminho dourado), por causa da cor do solo que compõe a ilha. 

Parceria

A iniciativa tem o apoio do Instituto Clima e Sociedade (ICS) e conta com a parceria do Movimento de Mulheres das Ilhas de Belém (MMIB) e do Ecomuseu da Amazônia da Fundação Escola Bosque (Funbosque) da Prefeitura de Belém.

A ideia surgiu a partir de um diálogo com a comunidade, iniciado com os moradores da localidade de Pedra Branca, que já vinham tentando implantar um projeto semelhante, e integrantes do Coletivo ParáCiclo.

O coordenador do Plano, o professor Murilo Rodrigues integrante do Coletivo ParáCiclo e coordenador do Ecomuseu da Amazônia, aponta que na ilha há uma carência de transporte público pessoas precisam se deslocar muito tempo a pé ou gastam com transporte de moto, motorretes ou do único ‘bonde’ – um trator que puxa uma carreta com passageiros e que serve a localidade onde vivem cerda de 10 mil moradores e é proibida, por lei, a circulação de carros por se tratar de uma  área de proteção Ambiental.

“O uso da bicicleta facilita o deslocamento, principalmente, ao mercado, feira, ida ao posto de saúde. São deslocamentos que a comunidade que mais precisa tem essa possibilidade de economizar tempo e dinheiro”, explica o Rodrigues.

Mudança climática

Segundo o professor Murilo Rodrigues, há também uma motivação ecológica, pois, a partir da década de 1990, houve na ilha de Cotijuba uma explosão do uso de motocicletas, como consequência houve um aumento da poluição atmosférica com a poeira levantada nas ruas, a fumaça dos motores e também a poluição sonora.

 “Parte da comunidade percebe que é importante reduzir o uso motorizado e retomar ao uso da bicicleta”, afirma o professor, que concluiu recentemente o mestrado abordando um tema voltado para este assunto.

"A bicicleta pode ser um agente de transformação social. Um agente que vai contribuir para reduzir as mudanças climáticas”, afirma Murilo Rodrigues que aponta o interesse dos jovens pela motorização para ter "sensação de poder” e marginalizando a bicicleta, daí a necessidade dessa transformação.

Turistas pagam

Para os moradores da Ilha de Cotijuba o uso das bicicletas por um período médio de duas horas é gratuito.  Atualmente o Plano Bicicletas Douradas tem 19 bikes à disposição distribuídas em 11 pontos de emprestimo.  Para os turistas é cobrada uma taxa de R$ 10, visando a manutenção das bicicletas que são doadas pelos próprios moradores.

 

Fotos: Joyce Ferreira/Comus 

(Agência Belém)

Admin

16 Novembro 2023

Mobilidade

Comentários

Destaque

Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Piauí aprovou Projeto de Lei Ordinária incentivando o uso de bicicletas como transporte alternativo e o respeito aos direitos dos ciclistas no Estado. Proposta ainda será analisada antes de ir para votação