HOLANDA PROIBIRÁ USO DE CELULAR NA BICICLETA

HOLANDA PROIBIRÁ USO DE CELULAR NA BICICLETA

O aumento do número de acidentes envolvendo ciclistas ao telefone, levou o governo holandês a expandir a lei de restrição do uso do aparelho. Se antes quem conduzia veículos motorizados estava proibido de usar telefones, a partir do próximo ano os ciclistas também deverão se enquadrar na legislação

 

Com o crescente aumento do número de acidentes causados por ciclistas ao telefone, o governo da Holanda quer proibir o uso de celulares e aparelhos eletrônicos para quem estiver pedalando. O anúncio do projeto de lei para a proibição foi feito pela ministra holandesa dos Transportes Cora van Nieuwenhuizen, no último dia 26 de setembro.

Em 2015, a então ministra da Infraestrutura, Melanie Schultz van Haegen, concluiu que seria impossível impor a proibição do uso do telefone em bicicletas. Mas no ano seguinte, o governo começou a reconsiderar sua posição.

A proibição do uso de celular durante a condução já é válida para veículos motorizados e prevê multas que podem chegar a 230 euros (R$ 1.050). A nova lei atinge diretamente nos ciclistas. A multa prevista nesses casos provavelmente será do mesmo valor, mas o governo ainda aguarda o resultado de uma consulta popular. O documento traz a descrição de  'dispositivo eletrônico móvel' em vez de telefone celular, as palavras  foram deliberadamente escolhidas para levar em conta a evolução tecnologica e novos aparelhos que poderão estar em mãos dos ciclistas no futuro.

A ministra Nieuwenhuizen,  destacou que o uso de celular é tão perigoso ao volante quanto pedalando, e disse que uma mudança na lei é necessária, em parte porque as pessoas estão gastando mais e mais tempo em seus telefones. "Os ciclistas foram excluídos da proibição inicial por causa de suas velocidades mais baixas", disse Van Niewenhuizen. "Mas, na verdade, usar um telefone é tão perigoso em uma bicicleta quanto em um carro. Você está na estrada, deve prestar atenção total e não fazer nada em um telefone” , declarou.

“A crescente popularidade das bicicletas elétricas fez com que a velocidade média dos ciclistas aumentasse”, acrescentou a ministra, enquanto os 35 mil quilômetros  de ciclovias e ciclofaixas do país estão cada vez mais lotadas.

O ciclismo é um estilo de vida na Holanda, mas  apesar de possuir uma excelente infraestrutura para ciclistas, o uso de smartphones se tornou um perigo crescente. Segundo dados oficiais, a Holanda tem mais bicicletas do que pessoas, e os deslocamentos em bicicleta já representam mais de 25% de todas as viagens feitas no país. Essa é de longe a maior porcentagem de qualquer país ocidental diz o governo.

Alguns anos atrás, pesquisadores espalharam câmeras pelas ruas da cidade de Haia. As imagens trouxeram a constatação de que mais de 20% dos ciclistas  estavam utilizando seus smartphones e um em cada três ciclistas, de 12 a 21 anos, usa seus telefones ao mesmo tempo que pedala.  No anos passado o ministério dos transportes informou que os smartphones e celulares estiveram presentes em pelo menos 20% dos acidentes com bicicletas, envolvendo pessoas com menos de 25 anos.

O movimento pela proibição tomou força depois que em 2015  após a morte de  adolescente  de 13 anos que foi atropelado por um carro enquanto olhava para o celular. Seu pai, Michael Kulkens, tornou-se um defensor da proibição do uso de celulares em bicicletas. "A mulher que matou meu filho é absolutamente inocente e sua vida também virou de cabeça para baixo", disse Kulkens em 2016,

Kulkens comemorou a notícia da nova proposta de lei, "Eu tive que parar meu carro ao lado da estrada e as lágrimas brotaram dos meus olhos quando ouvi no rádio que a proibição está chegando", disse Kulkens, segundo o jornal De Telegraaf. "'Na minha cabeça, eu disse: fizemos  isso Tommy.Nós fizemos isso, garoto”.

(Deustche Welle+MundoBici)

Admin

02 Outubro 2018

Mobilidade

Comentários

Destaque

Mais ciclistas nas ruas, mais quilômetros de ciclofaixas e o resultado direto repercutiu nas vendas e lojas especializadas de Niterói, aonde a crise não se fez sentir com intensidade, pelo contrário, as bicicletarias, segundo aponta o jornal O Globo, tiveram aumento nas vendas