GRANDES CIDADES REDUZEM O ESPAÇO PARA CARROS

GRANDES CIDADES REDUZEM O ESPAÇO PARA CARROS

Um movimento cada vez maior: as grandes cidades do Mundo estão se fechando para os carros e privilegiando o verde, pedestres e o transporte em bicicletas. A próxima a seguir esse caminho é a capital espanhola, Madri


Madri começa a redesenhar sua principal avenida. A Gran Vía começará a ser remodelada em janeiro de 2018 e entre as ações mais importantes está a construção de faixas exclusivas para bicicletas. Além disso, haverá uma drástica redução de faixas destinadas a veículos particulares com a restrição de circulação ao tráfego de não-moradores (situação semelhante à encontrada em zonas denominadas APR – Áreas de Prioridade Residencial) .Tudo para garantir maior tranquilidade a pedestres e ciclistas.
Segundo comunicado divulgado pela prefeita da cidade , Manuela Carmena, o plano tem como objetivo “a redução e a reorganização das faixas para criar um sistema de mobilidade no qual a bicicleta integre com o resto do tráfego”. O projeto também se encaixa no Plano de Qualidade do Ar, aonde metas de redução de emissões de CO² para a cidade que também ganhará mais 32 km de ciclorrotas e 6 praças localizadas na avenida serão totalmente remodeladas.
Conhecida por sua largura, a Gran Via terá apenas quatro faixas, duas para transporte público e outras duas serão faixas compartilhadas – ou o que convencionaram como “ciclofaixas 30”, aonde os veículos particulares compartilham o espaço com a bicicleta, daí a limitação da velocidade em 30 km/h. Para incentivar a utilização da bicicleta, será fundamental como exigem várias associações de ciclistas, a pacificação do tráfego, e entre as ações está o fechamento da avenida para os não moradores. 
A proposta de fechamento da Gran Vía já havia sido testada por 30 dias, no final de 2016 com resultados muito positivos junto à população e também junto aos comerciantes instalados na avenida que temiam com a possibilidade de perda da clientela. Porém, durante o período de testes aconteceu o contrário, alguns comerciantes chegaram a aumentar um crescimento nas vendas de 15 % em relação ao mesmo período do ano anterior. Com a população e o comércio dando sinais positivos foram atendidas as expectativas da administração pública que resolveu levar adiante o projeto.
O coletivo Madrid Ciclista, um dos mais importantes movimentos de ativismo da cidade avalia “muito positivamente” o que foi proposto para a Gran Vía, mas levantaram alguns problemas: “As bicicletas devem poder conviver com os veículos; não queremos que a bicicleta fique encurralada, ela tem de circular na pista”. Porém a segregação ciclistas-veículos só ocorrerá em um trecho de subida, aonde os técnicos optaram pela separação para garantir maior tranquilidade e segurança aos ciclistas. As obras deverão ser concluídas até o final de outubro de 2018.
 

(El País)

Admin

26 Junho 2017

Mobilidade

Comentários