FORTALEZA PROMOVE INCLUSÃO COM O PROJETO BIKE SEM BARREIRAS

FORTALEZA PROMOVE INCLUSÃO COM O PROJETO BIKE SEM BARREIRAS

A psicóloga Hermania Queiroz não pedalava há 20 anos. Deficiente visual, a atividade estava presente apenas na lembrança dos tempos em que brincava e andava de bicicleta no quintal da avó. Essa realidade mudou há dois meses, quando o Bike sem Barreiras começou a ser realizado em Fortaleza. "Como eu conhecia o espaço do quintal, que era uma reta, eu podia pedalar sozinha, mas faz muito tempo isso. Esse projeto é uma oportunidade de lazer e inclusão, espero que todos como eu possam aproveitar",  afirma.

O Bike sem Barreiras chegou à capital cearense por meio de uma parceria da Uninassau com a Prefeitura, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e trouxe nova motivação para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

O projeto ocorre quinzenalmente e permite que essas pessoas possam passear e aproveitar o espaço público da Cidade. "Se Fortaleza é referência no uso da bicicleta, a ideia é incluir todos interessados, sem distinção, à prática de esporte e lazer", destaca a superintendente da AMC, Juliana Coelho.

São três modelos diferentes de bicicletas adaptadas. Uma handbike, que é um triciclo adaptado para ser pedalado com as mãos; uma bicicleta dupla ou tandem, pedalada por uma pessoa com deficiência visual e pelo monitor ou acompanhante; e a 'The Duet', uma bicicleta adaptada com uma cadeira de rodas no lugar da roda dianteira, voltada para usuários com tetraplegia ou deficiência múltipla com até 120 quilos. O projeto também atende pessoas com Transtorno do Espectro Autista.

Os usuários contam com o suporte de profissionais e alunos do curso de fisioterapia da Uninassau, disponíveis para orientá-los e, quando necessário, conduzir as bicicletas. “Queremos continuar despertando nas pessoas com baixa ou nenhuma mobilidade o prazer em participar de uma atividade de lazer, que neste caso é andar de bicicleta. É gratificante podermos proporcionar a estas pessoas momentos de lazer com qualidade e gratuitamente”, destaca o reitor da Uninassau Fortaleza, Marcus Pontes.

A tenda do Bike sem Barreiras funciona ao lado do Centro Cultural Belchior e em frente ao projeto Praia Acessível. Para participar, o cadastro deve ser realizado diretamente no local e nos dias do evento que acontece a cada 15 dias.

O Bike sem Barreiras faz parte do projeto-piloto Rota Acessível. Idealizado pela Coordenadoria Especial da Pessoa com Deficiência (Copedef), vinculado à Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS), em parceria com a Secretaria Municipal da Gestão Regional (Seger), a iniciativa é um projeto de configuração de rotas totalmente acessíveis, que podem ser utilizadas por pessoas com diferentes deficiências. Para a estruturação do projeto, estão sendo implementadas melhorias para tornar a Capital mais acessível, inicialmente no primeiro trecho da rota, que vai do Mercado dos Peixes (Meireles) ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Praia de Iracema). A adaptação inclui calçadas largas, rampas de acesso, trânsito calmo e sinalização adequada.

Conforme o titular da Copedef, Emerson Damasceno, o projeto-piloto Rota Acessível faz parte da busca pela certificação internacional, a Organização Internacional de Padronização (ISO) 21902, que é um padrão internacional com as melhores práticas para que todas as pessoas possam desfrutar do turismo em igualdade.

Emerson ressalta, ainda, a importância de uma política coordenada e integralizada entre diversos atores da gestão municipal. O objetivo principal é garantir cada vez menos barreiras e o protagonismo da pessoa com deficiência em sociedade. “Uma cidade se torna cada vez mais justa e inclusiva quando todos os seus atores participam dela, por isso mesmo as políticas públicas atuais trabalham e focam na riqueza que é uma sociedade múltipla e diversa”.

(Prefeitura de Fortaleza)

Admin

06 Dezembro 2021

Mobilidade

Comentários

Destaque

Na França vendas de e-bikes bateram recorde em 2015