ECONOMIA DA BICICLETA NA EUROPA RESISTE À CRISE E SE PREPARA PARA RECUPERAÇÃO SUSTENTÁVEL

ECONOMIA DA BICICLETA NA EUROPA RESISTE À CRISE E SE PREPARA PARA RECUPERAÇÃO SUSTENTÁVEL

Assim como muitas outras empresas na Europa e no mundo, os setores da economia ligados à bicicleta foram duramente atingidos pela crise do coronavírus – Covid-19. No entanto, a grande maioria das empresas permanece confiante em sua sobrevivência e novas oportunidades podem surgir durante a fase de recuperação - especialmente se os tomadores de decisão em política econômica seguirem recomendações de especialistas para enfatizar mais a sustentabilidade

O fechamento forçado de lojas, o colapso da demanda e a interrupção das cadeias de suprimentos em todo o mundo estão afetando atualmente a indústria de bicicletas e seus vários subsetores. Em uma  pesquisa realizada pela entidade que reúne a indústria europeia,  a CIE  - Cycling Industries Europe; uma das  organizações parceiras da ECF – Europeans Cyclists Federation  (Federação Europeia dos Ciclistas – entidade que de maneira geral trabalha no interesse de polítcas de mobilidade e interesses dos usuários da bicicleta . Mais de 70% das empresas experimentaram impactos no setor, como problemas na cadeia de suprimentos, interrupções nos investimentos e diminuição das vendas entre empresas. 38% relatam escassez de pessoal devido a medidas de isolamento.

No mesmo trabalho foi destacado que  72% das empresas do setor relataram um declínio de receita em comparação com o ano passado. No período 41% das empresas reduziram sua força de trabalho, o que poderia significar mais de 20.000 empregos reduzidos no setor de bicicleta e serviços, além de mais de 400.000 empregos  em risco nas operações que envolvem o turismo em bicicleta

Paralelamente a esses grandes desafios para o setor, a pesquisa também revelou alguns lampejos de esperança: 67% das empresas solicitaram ou já foram capazes de receber algum tipo de auxílio estatal, na maioria dos casos apoiando salários. O mais importante é que 95% das empresas afirmaram acreditar que provavelmente ou muito provavelmente sobreviverão à crise.

Andar de bicicleta como um meio de transporte resiliente e saudável durante a crise

Há razões para um otimismo cauteloso: durante a crise do coronavírus, a bicicleta provou ser um meio de transporte resiliente que também é benéfico para a saúde pública. Facilita o respeito ao distanciamento social e ajuda a manter o sistema cardiovascular e os pulmões saudáveis, prevenindo doenças e protegendo o corpo contra infecções. O ministro da saúde alemão, recomendou o uso da bicicleta para viagens essenciais já em março, e foi seguido em abril por seu colega espanhol. Em cidades europeias como Paris e Londres, as operações do sistema de compartilhamento de bicicletas foram mantidas como uma alternativa mais segura ao transporte público, e iniciativas como créditos gratuitos para profissionais de saúde foram implementadas pelos operadores.

Os defensores da bicicleta fizeram sua parte para garantir que os serviços relacionados a ela fossem reconhecidos como essenciais durante a crise: a ECF e a  CONEBI – Confederação Europeia da Indústria da Bicicleta publicaram uma declaração solicitando para que os serviços de reparo/oficinas mecânicas pudessem operar   durante toda a crise em todos os países da União Europeia. A associação alemã ADFC – que cuida dos interesses do usuário da bicicleta  e membro da ECF em conjunto com outras associações alemãs que representam o setor,  pediram com sucesso que as lojas de bicicleta  estejam entre as primeiras a reabrir sem restrições quanto ao tamanho das lojas; e CIE, ECF, CONEBI, juntamente com outras associações europeias, lançaram a campanha #CyclingTheExtraMile,   destacando iniciativas e empresas do setor da bicicleta que apoiam suas comunidades, profissionais de saúde e assistência e outros serviços essenciais durante a pandemia do COVID19.

Novas oportunidades para uma mobilidade mais sustentável na recuperação

Olhando para além das atuais restrições severas à mobilidade em muitos países europeus, podem surgir durante a fase de recuperação novas oportunidades para a bicicleta. Atualmente, cidades como Berlim e Paris começaram a usar técnicas de “urbanismo tático” para criar novas ciclovias, a fim de acomodar o aumento de ciclistas seguindo as recomendações mencionadas acima. Há uma chance substancial de que essas novas infraestruturas permaneçam também após a remoção dos bloqueios, melhorando as condições para pedalar  a longo prazo e aumentando a demanda por bicicletas  e serviços relacionados. 

Na Dinamarca, o pacote de recuperação do governo para os próximos anos inclui financiamento para a Cyklistforbundet – associação de ciclistas – que deverá construir um centro especializado para incentivar a que as empresas substituam carros por bicicletas nos serviços de entregas e para que as empresas incentivem seus funcionários a que utilizem a bicicleta diariamente em seus deslocamentos.

No setor de turismo, os especialistas preveem uma demanda maior por viagens mais perto de casa, evitando grandes concentrações de turistas. Isso, na Europa , inclui uma demanda maior por turismo de bicicleta, que atende a esses critérios perfeitamente e oferece opções de férias mais ativas e sustentáveis.

No entanto, a fase de recuperação será em grande parte moldada não apenas pelas mudanças de comportamento e demanda dos usuários e consumidores, mas também pelas políticas econômicas implementadas.

Inúmeros especialistas, incluindo a Academia Nacional de Ciências da Alemanha, em seu relatório para o governo alemão, pediu aos políticos que não abandonem as metas de sustentabilidade e proteção climática em prol de uma recuperação de curto prazo no crescimento, mas para integrá-las a planos de  recuperação econômica definindo  o caminho para o crescimento sustentável com ainda mais ênfase do que antes da crise. Isso também foi ecoado em uma convocação da  “Aliança de Recuperação Verde”  para apoiar e implementar o estabelecimento de Pacotes de Investimento em Recuperação Verde, e a convocação de  13 ministros da União Europeia  em matéria de clima e meio ambiente  colocando o acordo verde europeu no centro de uma recuperação resiliente após a Covid-19.

Na Europa as entidades que representam a mobilidade e os ciclistas e   seus parceiros na indústria da bicicleta defenderão que esses apelos sejam traduzidos em investimentos substanciais em mobilidade ativa e sustentável, com um papel de destaque no ciclismo, no nível europeu, por exemplo, no âmbito do Acordo Verde Europeu. Garantindo que o atual interesse renovado pela uso da bicicleta tenha impactos positivos a longo prazo, melhorando as condições para o ciclismo e a mobilidade sustentável em toda a Europa e contribuindo para uma recuperação verde da Europa.

Texto original de Holger Haubold - Diretor de Propriedade Intelectural e Coleta de Dados da ECF

Fonte: ECF – Europeans Cyclists Federation  

Fotos: Tobias Cornille-Unsplash - City Clock Magazine-VisualHunt

 

(Bike-Europe/Divulgação)

Admin

27 Abril 2020

Mobilidade

Comentários

Destaque

As bicicletas elétricas vem provocando um expressivo aumento nas vendas. Junto ao bom desempenho comercial, muitas empresas estão buscando novas soluções para garantir maior autonomia e melhor desempenho das baterias. Com a utilização de Grafeno aliado à nanotecnologia as baterias para e-bikes, em breve, devem passar por uma revolução