CONDOMÍNIO ADOTA COMPARTILHAMENTO DE BICICLETAS

CONDOMÍNIO ADOTA COMPARTILHAMENTO DE BICICLETAS

Em Mogi das Cruzes, síndico de um grande condomínio sugere a implantação de compartilhamento de bicicletas. Com pouco dinheiro e boa vontade o projeto ganha força e mais adeptos

Uma boa ideia para incentivar o uso da bicicleta para pequenos deslocamentos e para o lazer foi posta em prática por José Alberto Saraiva Hokama, síndico do Combinatto Giardino, um edifício localizado em um grande empreendimento imobiliário a cidade de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.

Da constatação de que muitas vezes as garagens dos prédios se transformam em depósitos de bicicletas que não são utilizadas, surgiu a ideia do compartilhamento.  “Eu moro em condomínio desde 2002 e este problema é recorrente em todos os lugares, vemos aquelas bicicletas amontoadas. Se elas forem compartilhadas, cada morador não precisa ter uma. Ajuda na organização e ainda na economia”, falou Hokama.

O projeto de Bike Sharing custou cerca de R$ 2 mil ao condomínio para a compra do suporte, de capacetes, cadeados, além de três bicicletas devidamente equipadas com campainha, refletor e espelho retrovisor. No dois meses iniciais do projeto o uso dos equipamentos era gratuito, porém  agora passou a ser cobrada uma taxa de R$ 5 para a manutenção. No primeiro mês de atividades, em junho deste ano o serviço contou com  30 compartilhamentos, em julho foram 58, 32 em agosto e na primeira quinzena de setembro foram 24 os usuários do sistema.

Hokama acredita que o Bike Sharing esteja ganhando popularidade e como reflexo, em alguns finais de semana, os moradores não encontram equipamentos disponíveis. Para ele, a ampliação no número de bicicletas pode acontecer, mas tudo depende das reuniões de condomínio. “Dependendo da demanda, que vamos fazendo o levantamento nestes meses de utilização, posso propor a compra de outras ou talvez a isenção da taxa de manutenção. Mas isso só entrará em discussão entre março e abril do ano que vem, que é quando acontece a Assembleia Geral”, explicou ele, que é síndico do edifício Combinatto Giardino há quase dois anos.

Projetos em edifícios residências como o desenvolvido por Hokama para o compartilhamento de bicicletas são um sinal de mudanças na sociedade mostrando novos hábitos,  comportamentos e maiores responsabilidades sobre os bens comuns.

Foto: Ian Sane via Visual Hunt / CC BY

(Diário de Mogi)

Admin

19 Outubro 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (25) proposta que obriga os fabricantes e importadores de bicicletas a fornecer aos compradores um manual com normas de circulação e infrações contidas no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), além de informações sobre direção defensiva e primeiros socorros.