COMUNIDADE DE RECIFE RECEBE BICICLETAS COMPARTILHADAS

COMUNIDADE DE RECIFE RECEBE BICICLETAS COMPARTILHADAS

Os cerca de 4 mil moradores da comunidade Caranguejo Tabaiares, localizada entre os bairros de Afogados e Ilha do Retiro, na Zona Oeste do Recife, poderão usufruir de um sistema compartilhado que disponibiliza 20 bicicletas que poderão ser utilizadas gratuitamente.

O projeto desenvolvido pela AMECICLO (Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife),  recebeu o nome de Bota pra Rodar e começou há pouco mais de um ano com a coleta de 40 bicicletas antigas ou que estavam esquecidas por seus usuários; nem todas as bicicletas puderam ser aproveitadas, algumas apenas serviram para fornecer peças para serem utilizadas em outras bicicletas. A segunda parte do projeto envolveu 23 jovens da comunidade que aprenderam a montar, reparar e pintar as bicicletas. Muitos destes jovens assumiram a responsabilidade de fazer a manutenção das bicicletas do projeto e por sua função de destaque e participação ganharam suas bicicletas.

A implementação do sistema foi financiada pelo Fundo Socioambiental Casa, organização que apoia projetos que buscam incentivar o desenvolvimento sustentável em comunidades de base e destinou ao Bota pra Rodar uma verba de R$ 30 mil para a compra de peças, produção de material gráfico, montagem das estações, pagamento dos coordenadores.

Para a utilização das bicicletas, os moradores da comunidade devem fazer o cadastro na biblioteca comunitária, aonde haverá um livro de registro. Quem quiser usar uma bicicleta, faz o registro, se identifica e recebe a chave da bicicleta para destravar o cadeado e tem um prazo para devolução de 24 horas, quem pegar uma bicicleta no final de uma sexta-feira, passará o final de semana com a bicicleta.

O projeto Bota pra Rodar é desafiador, envolve profundamente o sentimento de cidadania e coletividade de toda a comunidade Caranguejo Tabaiares que recebeu dois bicicletários equipado com estação de reparos,  cada um com 10 bicicletas. Não há penalidade por atrasos, roubo ou outro problema. A proposta é a de despertar a consciência de cada morador aonde cada um é responsável pelo equipamento.

Para Daniel Valença, um dos coordenadores da AMECICLO e do Bota pra Rodar, a proposta é de que com o tempo a comunidade assuma o projeto.  “Vamos continuar dando assistência voluntária à comunidade, este ano, mas a ideia é que os moradores tomem conta do projeto que queremos levar a outras áreas”, declarou apontando que já busca novos patrocinadores para desenvolver ações similares em outras Zonas Especiais de Interesse Social – também conhecidas pela sigla ZEIS

Fotos: AMECICLO

(Jornal do Comércio/AMECICLO)

Admin

17 Março 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

No Rio Grande do Sul legisladores aprovam projeto de lei que prevê ciclovias em todos os projetos rodoviários ou em estradas em fase de construção