COM OBRAS RECENTES, CICLOVIAS CHEGAM  AOS 54 KM EM PORTO ALEGRE

COM OBRAS RECENTES, CICLOVIAS CHEGAM AOS 54 KM EM PORTO ALEGRE

Com a finalização de novas ciclovias na avenida Ipiranga, avenida Mauá e, com a entrega em breve, também na avenida Aureliano de Figueiredo Pinto, a cidade de Porto Alegre alcançará 54 quilômetros de infraestrutura cicloviária. O último trecho de 1,7 quilômetro de ciclovia na avenida Ipiranga, que vai da avenida Salvador França até a Coronel Lucas de Oliveira foi entregue à população na última semana de maio. Outro percurso liga a Orla do Guaíba e as universidades e o total de 9.415 metros entre as avenidas Edvaldo Pereira Paiva e Antônio de Carvalho.

No trecho da avenida Mauá, entre as ruas Sepúlveda e General Portinho, foi construída uma ciclovia bidirecional de 700 metros, no lado esquerdo da via, com urbanismo tático para valorizar o espaço e garantir maior segurança a pedestres e ciclistas. O novo traçado mantém as três pistas para os demais veículos.

Na região dos bairros Praia de Belas e Cidade Baixa, está em fase de finalização o novo trecho de 1.300 metros de ciclovia unidirecional, em que as bicicletas trafegam no mesmo sentido do fluxo dos veículos.

Com essa entrega, estará concluído o eixo cicloviário Erico/Aureliano, que faz a conexão entre as ciclovias já em operação da José de Alencar, Ipiranga, José do Patrocínio e Edvaldo Pereira Paiva, na Orla do Guaíba. O projeto também conta com sinalização tática para maior segurança a todos os usuários, com rampas de acessibilidade, novas travessias e revitalização das já existentes.

A implantação das ciclovias das avenidas Ipiranga e Aureliano de Figueiredo Pinto é uma contrapartida do Shopping Iguatemi, como obrigação legal pela expansão do pólo gerador de tráfego no bairro Passo d’Areia. A iniciativa integra as ações do MobiliPOA, programa de mobilidade que organiza e disciplina os diferentes modais de transporte e circulação da Capital. “Priorizamos no nosso governo a construção de ciclovias com recursos de contrapartida ou financiamentos. Assim conseguimos entregar de forma mais ágil os trechos e com menos burocracias”, diz o prefeito Nelson Marchezan Júnior.

Na avenida Loureiro da Silva, com implantação da nova faixa exclusiva do transporte público de 2.200 metros, também foi revitalizada a ciclovia existente no local, com melhorias no traçado no sentido Centro-bairro, junto às paradas de ônibus. Desta forma, foi atendida uma demanda dos ciclistas e também ficaram contemplados os pedestres e usuários dos coletivos.

Após a entrega de novos trechos de ciclovias, em 2019 e 2020, das avenidas Nilo Peçanha (mil metros), Goethe (500m), Voluntários da Pátria (350m), João Alfredo (650m), Engenheiro Luiz Englert e Paulo Gama (500m), e agora com a finalização da Ipiranga (1.700m), Mauá (700m) e do eixo da Aureliano de Figueiredo Pinto (1.300m), incluído o cruzamento com a Getúlio Vargas (200m), são totalizados 10 quilômetros de infraestrutura cicloviária construída na atual gestão - sendo que 4,4 km foram entregues de janeiro a maio deste ano.

O secretário municipal extraordinário de Mobilidade Urbana, Rodrigo Mata Tortoriello, observa que, no futuro retorno do ano letivo, a ciclovia poderá ser uma opção para os estudantes da PUCRS, pois a população já aderiu ao uso da bicicleta como meio de transporte. "A circulação através da mobilidade ativa, além de menos poluente, é cada vez mais frequente em toda a cidade. Com a ligação direta com a Goethe e toda a extensão da Ipiranga, passando por diversos bairros desde o início da avenida, os usuários desse modal terão um espaço com mais segurança para seus deslocamentos ao trabalho, estudo ou lazer”, afirma.

fotos: Alex Rocha e Maria Ana Krack/Pref.Porto Alegre

(Prefeitura de Porto Alegre)

Admin

01 Junho 2020

Mobilidade

Comentários

Destaque

Os patinetes elétricos são uma realidade mundial e estes já se encontram em praticamente todas as grandes cidades; seu uso também cresceu de forma vertiginosa. E com isso também houve um aumento dos acidentes, inclusive os mais graves. Na Europa as autoridades já pensam em uma normatização para exigir um mínimo de segurança para veículos elétricos leves pessoais