Bikes compartilhadas completam um ano em Fortaleza com 574 mil viagens

Bikes compartilhadas completam um ano em Fortaleza com 574 mil viagens

Segundo prefeitura, sistema de Fortaleza é o mais utilizado do Brasil. Capital cearense tem 60 estações e 600 bicicletas compartilhadas.

O sistema de bicicletas compartilhadas de Fortaleza completa um ano de serviços nesta terça-feira (15) com mais de 574 mil viagens, segundo a prefeitura, utilizando as 600 bicicletas do sistema disponíveis nas 60 estações na cidade. Com mais de 100 mil usuários cadastrados, sendo 76% desse total utilizando o Bilhete Único, e com 6,4 mil viagens por estação, o sistema é o mais utilizado no Brasil, levando em consideração o número de viagens por estação.

Ainda segundo a Prefeitura de Fortaleza, o sistema tem uma média de 2.690 viagens diariamente nos dias úteis e, no dia 24 de novembro, atingiu sua maior, marca com 2.938 viagens. Segundo o levantamento, um terço dos usuários é mulher. O perfil médio é composto por 38% de estudantes, e 75% de todos os usuários têm idade entre 15 e 35 anos.

Para o secretário executivo da SCSP, Luiz Alberto Saboia, o Sistema Bicicletar incentiva o uso da bicicleta como meio de transporte que não polui o meio ambiente e contribui para uma mobilidade sustentável na cidade. "A nossa meta é avançar para desenvolver mais e melhores iniciativas que permitam o deslocamento seguro de ciclistas”, afirma.

Cadastro
Para se cadastrar, o usuário deverá preencher os dados no site do Bicicletar ou baixar o aplicativo Bicicletar no smartphone e optar por um plano de adesão com taxa diária (R$ 5), mensal (R$ 10) ou anual (R$ 60), informando o cartão de crédito de onde será debitado o valor do plano escolhido. Um mesmo cartão de crédito pode estar em ilimitados cadastros. Quem for usuário do Bilhete Único, não precisa fazer o plano de adesão, mas precisa fazer o cadastramento.

(G1 CE)

Admin

05 Fevereiro 2016

Mobilidade

Comentários

Destaque

Texto do Programa Bicicleta Brasil já está no Senado para análise. O PBB será financiado por multas, e a execução ficará sob responsabilidade dos setores públicos e privados ligados ao trânsito e à mobilidade urbana