Bicicletas provocam transformação em condomínios

Bicicletas provocam transformação em condomínios

O boom da bicicleta e o estilo de vida de seus usuários está trazendo adaptações aos empreendimentos residenciais. Desde bicicletários e depósitos privativos com espaço dedicado, oficinas para reparos rápidos e até bicicletas compartilhadas para os moradores

 

Cada vez mais a utilização da bicicleta vem ganhando espaço e vai muito além da sua utilização para o lazer ou pratica desportiva, em especial nos grandes centros urbanos onde a sua circulação se intensificou durante a pandemia da covid-19 e com a alta dos combustíveis, e isso vem provocando a transformação da dinâmica de diversos condomínios residenciais.

A plataforma de conteúdo e serviços SíndicoNet, destaca que a busca por bicicletários em condomínios residenciais teve um crescimento de 300%, entre janeiro e junho deste ano, e este item entra na lista dos fatores importantes na hora da escolha de um imóvel. “Tem sido prática comum as pessoas priorizarem esses equipamentos em suas moradias. Também vejo as buscas por carregadores elétricos aumentando, principalmente para bikes elétricas”, destacou Julio Paim, CEO do SíndicoNet em entrevista ao jornal ao Estadão.

De olho nesse público crescente que passou a adotar a bicicleta em seu cotidiano, tanto como modal para seus deslocamentos diários, ou como lazer ou atividade física, os empreendimentos oferecem iniciativas que vão desde as simples campanhas de doação de bikes antigas ao uso de bicicletas compartilhadas por meio de um aplicativo até as compradas pela própria construtora, além de pequenas oficinas para reparos rápidos para uso dos moradores.

A construtora e incorporadora Diálogo,  que atua em São Paulo,  já projeta a maioria de seus empreendimentos com  bicicletários. “Esses equipamentos são obrigatórios hoje e, em cada obra, aumentamos o número de vagas. Principalmente nos localizados próximos a metrôs ou ciclofaixas”, diz Guilherme Sallum Nahas, diretor da empresa.

João Leonardo Castro, diretor de desenvolvimento e gestão de projetos da SKR  destaca a necessidade de entender as tendências dos consumidores: “A arquitetura precisa estar à frente para conseguir antecipar tendências dos consumidores. Por isso, dizemos que é uma prática viva. Se a sociedade se transforma, como tem acontecido com o uso das bicicletas, os empreendimentos devem refletir essas mudanças”.

Em 2018, a SKR lançou seu primeiro empreendimento com bicicletário comunitário, localizado no bairro de Moema, zona sul da capital paulista. “Entregamos a obra já com as bicicletas e o uso é feito pelos moradores por meio de um aplicativo de reserva, que nós desenvolvemos, chamado Compass”, explica Castro. O app é um hub que centraliza diversos serviços aos moradores além do agendamento das bikes, como compra de produtos, limpeza ou manutenção do imóvel.

A aceitação positiva dessa iniciativa, levou a que a construtora passou a incluir o bicicletário em todos os empreendimentos que vieram a seguir. “A exemplo do que já tínhamos feito em Moema, em 2020, finalizamos uma obra na Vila Madalena que também conta com uma pequena oficina para reparos rápidos, com bancada, bomba e ferramentas, que tem sido muito usada. Além disso, disponibilizamos um ponto de carregamento para bikes elétricas na garagem. Os moradores já entenderam que esses itens fazem parte da composição de uma nova experiência de morar”, conclui Castro.

As iniciativas em condomínios residenciais feitas para acomodar um novo estilo de vida, em que a bicicleta tem papel de destaque, vem do foco dos empreendimentos em mobilidade urbana. Espaço para carga da bateria de bicicleta elétrica, por exemplo, tem sido cada vez mais frequentes. Além do empreendimento da SKR na Vila Mariana, os três últimos lançamentos, construtora e empreendedora paulista Tarjab, também trazem o ponto elétrico no bicicletário aos moradores em dois de seus lançamentos mais recentes.

A incorporadora imobiliária Vitacon em seus empreendimentos já estão incluídas estações de mobilidade com bicicletários e espaços para bikes e carros compartilhados. Além disso, eles estão localizados próximos a estações de metrô e grandes centros comerciais, incentivando os condôminos a usarem cada vez menos veículos particulares para se locomover pela cidade”, explica Ariel Frankel, CEO da empresa.

No interior de São Paulo a CRB Construtora, sediada em Sorocaba e também com empreendimentos na cidade de Campinas, desde 2016 todos os seus lançamentos contam com um depósito privativo para acomodar itens de alto valor, como bicicletas. O espaço tem, em média, 5 metros quadrados e foi projetado por solicitação dos clientes, como resultado de pesquisas feitas frequentemente pela empresa. Além disso, a construtora explica que passou a considerar o número total de moradores para projetar os bicicletários – incluindo crianças –, que, hoje, em suas obras, varia entre 30 e 100 vagas.

(Estado de São Paulo )

Admin

26 Maio 2022

Mobilidade

Comentários

Destaque

Alunos da Universidade Federal do Espirito Santo – UFES - estudaram por mais de 4 meses as ciclovias de Vitoria. O resultou em quatro projetos que foram apresentados no seminário E aí, vamos de Bike?