ARAÇOIABA DA SERRA INAUGURA ROTAS DE CICLOTURISMO

ARAÇOIABA DA SERRA INAUGURA ROTAS DE CICLOTURISMO

As administrações públicas de pequenas cidades pelo interior de todo o Brasil já se deram conta do potencial que há no incentivo ao turismo em bicicleta e por meio dele fomentar a economia local, beneficiando produtores rurais e pequenos comerciantes.

Araçoiaba da Serra, localizada na região metropolitana de Sorocaba, a 99 quilômetros da capital paulista, inaugurou na primeira semana de julho a ‘Ciclorrota Agro’ com dois roteiros, batizados de Esconderijo do Sol com 38,1 quilômetros e Horizonte Perdido com 26,4 quilômetros e que tem como ponto de partida a Praça Coronel Almeida, no centro da cidade.

O desenvolvimento do projeto é uma parceria entre a Prefeitura de Araçoiaba, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), campus de Sorocaba, por intermédio do Observatório de Turismo do Estado de São Paulo (Oturesp) e Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS).

O Oturesp desenvolveu a iniciativa no âmbito do programa Arranjo Produtivo Local (APL), gerido pelo PTS. Trata-se de um trabalho de estudo das potencialidades dos municípios em planejar, utilizar e gerenciar, de forma sustentável, os recursos turísticos.

Segundo Telma Darn, coordenadora das Ciclorrotas Agro da região e do Oturesp, um estudo do órgão mostrou que a cidade já possuía aptidão para os turismos rural e de proximidade. Além disso, indicou a existência de forte atividade ciclística no município. Com a identificação desses aspectos positivos, o observatório considerou viável a implantação da ideia e criou, assim, o programa Agrotech-TUR. Por meio dele, os agentes envolvidos, em parceria com ciclistas locais, elaboraram os dois trajetos. Todo o processo, desde a estruturação do plano até a abertura das trilhas, levou um ano.

O projeto foi viabilizado via emenda parlamentar destinada pelo deputado federal Vitor Lippi (PSDB) no valor de de R$ 150 mil, e com recursos aplicados pelo Executivo araçoiabano.

Produtores rurais serão pontos de apoio aos ciclistas

Ainda durante as pesquisas, foi identificada a possibilidade de incluir os produtores rurais na iniciativa, para apoiá-los e fomentar as suas atividades. Para tanto, eles foram inseridos na proposta como “auxiliadores” dos ciclistas. No decorrer das rotas, as propriedades de quatro mulheres que aderiram, até o momento, ao programa vão servir como pontos de apoio. Elas disponibilizarão água, alimentação, reparos mecânicos básicos, locais para descanso, informações, dentre outros serviços, podendo cobrar por algumas dessas facilidades.

Os produtores também poderão apresentar e vender os seus produtos para os visitantes. Com isso, terão a oportunidade de ampliar a divulgação dos seus negócios, além de agregar valor às suas produções, segundo Telma. "É uma alternativa de renda para a propriedade, a partir do turismo", informou. 

De acordo com Telma, professora do Departamento de Geografia, Turismo e Humanidades (DGTH-So) da UFSCar Sorocaba, agora, o objetivo é incentivar outros 11 municípios da região contemplados pelo APL a implantar o projeto-piloto de Araçoiaba

O Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS), também contribuiu para a elaboração dos estudos sobre a execução. Segundo André Santos, diretor executivo da Inova Sorocaba, gestora do PTS, a instituição categorizou, por exemplo, o perfil dos produtores e os tipos de trabalho realizados por eles, para saber como beneficiá-los efetivamente. Da mesma maneira, cooperou com o mapeamento das opções mais adequadas de percursos, por meio do levantamento daqueles que oferecem maior segurança e acessibilidade.

Para Santos, as Ciclorrotas Agro são mais do que atrativos turístico e de lazer. Na avaliação dele, elas vão favorecer a economia dos pequenos produtores, a cidade e toda a região. “É uma conexão de turismo com negócios e fortalecimento econômico”, resumiu.

Trajetos Autoguiados

As duas Ciclorrotas são autoguiadas, com placas informando, ao longo do caminho, o percurso a ser percorrido pelo ciclista, além de indicações de locais de parada para descanso e que também valem a pena ser apreciados. "São áreas 'instagrámaveis', onde ele (ciclista) pode fazer excelentes fotos para postar nas redes sociais", explicou Telma. Além disso, elas são acessíveis para pessoas com deficiência (PCDs), desde que o visitante tenha bicicleta adaptada.  

A rota Esconderijo do Sol é a maior, com 38,1 quilômetros de extensão e estima-se que possa ser percorrida em  3h30 e começa na paróquia Nossa Senhora das Dores, no Centro, vai até a Rodovia Raposo Tavares (SP-270), por estradas vicinais, e retorna ao ponto de partida. Já a trilha Horizonte perdido tem 26,4 km de extensão e leva 2h30 para ser concluída. Começa na mesma igreja, cruza a Raposo Tavares, por estradas vicinais, e termina no local de início. 

"A Esconderijo do Sol tem caminhos mais arborizados, mais fechados, com mais vegetação. Ela exige mais preparo físico do ciclista, porque tem mais subidas e descidas, bem como percurso é maior. (Já) a Horizonte é mais aberta, com menos vegetação, longos trechos planos, diminuindo o esforço físico do ciclista", detalhou a professora. 

(SECOM-Sorocaba)

Admin

11 Julho 2023

Mobilidade

Comentários

Destaque

Os quadros de aço de elevada tecnologia em sua construção poderão ser a nova tendência do mercado. Empresa alemã desenvolveu um novo tipo de liga de aço altamente durável, com maior resistência e rigidez do que o alumínio com as capacidades de formação de carbono e ainda por cima com a produção dos quadros totalmente robotizada