APROVADO NOVO PLANO DE MOBILIDADE URBANA POR BICICLETAS PARA BELO HORIZONTE

APROVADO NOVO PLANO DE MOBILIDADE URBANA POR BICICLETAS PARA BELO HORIZONTE


Com a proposta de aumentar a utilização da bicicleta na capital mineira, prefeito aprova novo plano de Mobilidade Urbana por Bicicletas


Com o objetivo de sair de 0,4% e atingir 6% da participação da bicicleta nos deslocamentos públicos de Belo Horizonte até o ano de 2020, o prefeito da cidade firmou compromisso de levar adiante o PlanBici a ser executado pela BHTrans e demais órgãos municipais. “Vamos aprovar o plano, levar para a Secretaria de Planejamento e Finanças. A BHTrans já aprovou”, afirmou o prefeito. “O projeto é muito audacioso, mas é bom”, declarou
A proposta apresentada pela Associação dos Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte- BH em Ciclo, foi estruturada em seis eixos: Infraestrutura e circulação; Integração modal e bicicletas compartilhadas; comunicação, educação e mobilização; governança, transparência e produção de dados; Legislação; e Financiamento. O projeto prevê mais de 120 ações, com estimativas de custos, responsáveis pela execução e indicadores para acompanhá-las.
O projeto foi apresentado ao prefeito Alexandre Kalil – PHS - após dois meses da solicitação para a criação de um plano para incrementar a utilização da bicicleta na cidade. Em maio, a BH em Ciclo apresentou ao prefeito, diversas demandas ligadas ao uso da bicicleta como modal. Kalil disse que só conversaria com os ciclistas mediante um plano de ações. Naquele momento o prefeito foi direto ao pedir “Em 60 dias, me entreguem um plano, com estimativa de custo e prazo, para a bicicleta na cidade. Aí a gente debate”.
O Plan Bici”foi um trabalho conjunto entre a BH em Ciclo, da Associação dos Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte, com a BHTrans, Sudecap, Secretaria de Planejamento Urbano, Secretaria de Meio Ambiente, Serttel, representantes da Câmara Municipal e diversas pessoas ligadas a movimentos ciclistas.
A cidade de Belo Horizonte possui atualmente cerca de 83 km de ciclovias. O Plano prevê a expansão das ciclovias até 411 km em 2020. Com o crescimento da malha a expectativa é de que 6% do todos os deslocamentos da capital mineira sejam realizados com bicicletas.
O projeto prevê a implantação de bicicletários no metrô e nas estações de integração do Move, a manutenção da rede cicloviária existente, a implantação de paraciclos nas escolas municipais e campanhas educativas.
Também consta do projeto a implantação do projeto “Zona 30”, que visa limitar a velocidade máxima em algumas vias da capital a 30 km/h, visando tornar as vias mais seguras e com isso estimular o compartilhamento dos espaços entre carros, bicicletas e pedestres.
Segundo Amanda Corradi, integrante da BH em Ciclo, o plano dialoga com detalhes ricos e estruturados tecnicamente com o Plano de Mobilidade de Belo Horizonte e com as propostas apresentadas pelo então candidato Kalil durante as eleições de 2016.
O presidente da BHTrans, Celio Freitas Bouzada, enfatiza que o Plano de Mobilidade por Bicicleta 2017/2020 é mais um compromisso do plano de governo. De acordo com Eveline Trevisan, coordenadora de sustentabilidade e meio ambiente da BHTrans, o Plano é muito bom, coerente e ancorado no Plano de Mobilidade de Belo Horizonte – PlanMob-BH. "A reunião com o prefeito foi muito positiva e ele foi bem receptivo às ideias que vão além da infraestrutura para as ciclovias, mas também abrange campanhas educativas e legislação. Uma das primeiras ações solicitadas pelo prefeito é realizar um grande evento do Pedala-BH", falou Eveline.

Fotos: BH em Ciclo
 

(Assessoria de Comunicação e Marketing BHTrans)

Admin

04 2017

Mobilidade

Comentários