APÓS O LOCKDOWN A BICICLETA GANHARÁ MAIS ESPAÇO EM MILÃO

APÓS O LOCKDOWN A BICICLETA GANHARÁ MAIS ESPAÇO EM MILÃO

Após o bloqueio  provocado pela pandemia do coronavírus, Milão, no norte da Itália quer transformar a maneira de como as pessoas se deslocam pela cidade. O espaço para o uso da bicicleta e caminhadas será expandido como parte de um novo plano para mobilidade na cidade. Uma ideia que poderá servir de exemplo para outras cidades do mundo.

Milão é uma cidade pequena e densamente habitada,  são apenas 15 km de largura e 1,4 milhão de habitantes, dos quais 55% utilizam o transporte público para ir trabalhar. A região que é uma as mais poluídas da Europa, também foi uma das mais impactadas pelo surto de Covid-19,  nesse período os congestionamentos de automóveis caíram para menos de 30% e a poluição do ar teve uma redução de 75%.

A distância média de casa para o trabalho do milanês é inferior a 4 km. O distanciamento social que será implementado no transporte público implicará na necessidade de reduzir o número de pessoas que terão que acessar diariamente o metrô, bondes e ônibus. O retorno ao uso de veículos particulares será inevitável e, para evitar o congestionamento de carros nas ruas da cidade com efeitos diretos na poluição do ar, a cidade implantará uma rede ciclovias temporárias como alternativa para uma viagem segura.

Com essa realidade, Milão, a paritr do mês de maior testará uma parte importante do futuro da mobilidade das cidades na próxima década, a programação previa um cenário para 2030, mas nesta nova fase o cenário passa para 2020. O plano da cidade é uma ferramenta emergencial que permite pensar no presente, oferecendo ideias para outras grandes cidades do mundo, onde o espaço é cada vez mais limitado e o número de habitantes, na maioria delas,  está sempre em crescimento.

O plano, batizado de Strade Aperte  (em tradução livre: Ruas Abertas)  provocará  mudanças  já com a chegada dos dias mais quentes da primavera no hemisfério norte, e com a redução às restrições provocadas pelo Covid-19 e a transformação experimental de 35 km de ruas da cidade em espaços protegidos para que os moradores possam se deslocar em bicicleta ou a pé.

Trata-se de uma série de ciclovias temporárias com baixo custo de implantação com novos pavimentos e espaços ampliados; e ruas prioritárias para ciclistas e pedestres com a velocidade para veículos limitada a 30 km/h. Entre as áreas que passarão pela mudança  está o bairro de pocuo tráfego no local do antigo Lazzaretto, um refúgio para vítimas de epidemias de peste nos séculos XV e XVI. O primeiro trecho de 8 km a ser implantado deverá ser na tradicional Corso Buenos Aires, uma  importante e movimentada via comercial de Milão com mais de 350 lojas e com um dos maiores faturamentos diários do mundo.

Em declaração ao jornal britânico The Guardian, o conselheiro para Mobilidade e Obras Públicas, Marco Granelli declarou: “Trabalhamos por anos para reduzir o uso de carros. Se todo mundo dirigir um carro, não há espaço para as pessoas, não há espaço para se movimentar, não há espaço para atividades comerciais fora das lojas. É claro que queremos reabrir a economia, mas achamos que devemos fazê-lo de maneira diferente agora. Temos que repensar Milão nessa nova situação. Temos que nos arrumar; é por isso que é tão importante defender até uma parte da economia, apoiar bares, artesãos e restaurantes. Quando acabar, as cidades que ainda têm esse tipo de economia terão uma vantagem, e Milão quer estar nessa categoria.".

 

Fotos: Milanobikecity e REUTERS/Flavio Lo Scalzo

(Mundo Bici + The Guardian)

Admin

22 Abril 2020

Mobilidade

Comentários

Destaque

Um engenheiro italiano desenvolveu um protótipo de uma bicicleta com rodas sem raios que pode ser dobrada como se fosse um guarda-chuvas. Feita de alumínio, a bicicleta foi criada por Gianluca Sada, que patenteou o sistema inovador de aros que dispensa os tradicionais raios das rodas comuns de bicicletas e motocicletas