AMSTERDÃ CONSTRÓI ESTACIONAMENTO DE BICICLETAS SUBAQUÁTICO

AMSTERDÃ CONSTRÓI ESTACIONAMENTO DE BICICLETAS SUBAQUÁTICO

Amsterdã, a capital holandesa,  investiu R$ 332 milhões para criar uma estrutura de estacionamento para 7.000 bicicletas - 6.300 pessoais e 700 de uso compartilhado para facilitar a primeira ou última milha de viagens ferroviárias - em uma instalação submersa na estação ferroviária central da cidade.  Um segundo estacionamento, também debaixo d’água será inaugurado no IJboulevard até o final de fevereiro para mais 4.000 bicicletas, a instalação na estação central de Amsterdã não é a maior garagem para bicicletas do país. Tem, no entanto, uma característica única: está localizado inteiramente debaixo d'água.

A garagem, inaugurada no final de janeiro, faz parte de uma reforma mais ampla do grande, mas extremamente movimentado espaço em frente à Amsterdam Centraal, a principal estação de trem da cidade. Conhecido localmente como De Entree ( ndr.: ‘A entrada’ por onde os passageiros ferroviários - e antes deles, os passageiros dos navios - entram na cidade), este amplo espaço próximo ao porto da cidade vem passando por reformas desde 2017. Acima do solo, o espaço foi retirado dos carros e destinado a pedestres e bicicletas, enquanto algumas vias foram removidas para permitir mais espaço para a característica que define o local: a água.

Subvertendo as mudanças feitas no século 20, a água do porto agora flui ao redor de toda a histórica estação central, que foi construída em ilhas artificiais. Já no subsolo, a área ganhou uma estação de metrô, inaugurada em 2018. O novo ‘bicicletário’ é acessado a partir do térreo por uma rampa curva, é a última peça da reconfiguração a ser concluída. 

 O trabalho para a criação da garagem é realmente impressionante. Antes do início da construção, os engenheiros tiveram que represar as entradas da bacia do porto de Amsterdã e bombear a área selada para secar. Camadas de areia foram dragadas antes que as bordas da bacia fossem reforçadas com paredes de concreto. Em seguida, o piso da garagem foi colocado e plantado com um labirinto de colunas, enviadas para o local por barcaça, para sustentar o telhado antes que a água pudesse encher a bacia, inundando completamente o estacionamento submerso. 

Ao longo desse processo de quatro anos, as rotas da cidade até a estação – que recebe 200.000 passageiros de trem e metrô diariamente – permaneceram abertas e desbloqueadas.

Despejar tanto esforço e dinheiro em uma garagem para bicicletas pode parecer incrível para os padrões internacionais, mas não na Holanda. 

As principais garagens subterrâneas de bicicletas nas estações de trem são cada vez mais comuns em todo o país. O maior com capacidade para mais de 12.000 bicicletas - fica na quarta maior cidade do país, Utrecht, onde a bicicleta tem participação de 51% como uso modal,  faz com que os  32% de Amsterdã pareçam bastante modestos. 

As ‘super-garagens’ se espalharam por todo o país porque as cidades holandesas estão se concentrando para que mais viagens sejam feitas de bicicleta: ampliar as possibilidades de deslocamentos sem carros ecologicamente corretas, tornando as conexões entre a infraestrutura ciclável e o transporte ferroviário o mais simples possível.

“Os dados de Amsterdã e da região urbana da Holanda mostram que há muito mais para reduzir as viagens de carro do que apenas focar nas bicicletas”, diz Meredith Glaser, diretora executiva do Urban Cycling Institute, com sede em Amsterdã . “Para reduzir a dependência do carro, você precisa de bicicletas, além de um sistema de transporte público de alta capacidade, alta eficiência e alta frequência”.

Ao tornar mais fácil estacionar e guardar bicicletas com segurança na estação, Amsterdã está incentivando mais viajantes a usar os trens, tanto para deslocamentos diários quanto para viagens mais longas fora da cidade. Preço muito acessível tornam seu uso atraente: o uso de uma vaga na garagem é gratuito nas primeiras 24 horas e, a seguir, € 1,35 (cerca de R$ 7,48) por dia.

Os estacionamentos holandeses para bicicletas desempenham outro papel fundamental: ajudam a evitar que as bicicletas estacionadas nas calçadas e áreas públicas estrangulem a cidade. Como qualquer visitante da Amsterdam Centraal pode testemunhar, os arredores da estação já estão repletos de bicicletas que seu grande volume torna uma foto popular para os turistas.

Praticamente por toda a cidade é difícil encontrar espaços para deixar a bicicleta, com postes de iluminação e placas de sinalização rotineiramente cercadas por bicicletas que acabam obstruindo as calçadas. A inconveniência que isso representa pode ser pequena em comparação com o perigo e a poluição criados pelos carros, mas em uma cidade de ruas estreitas e movimentadas, a confusão nas calçadas pode bloquear usuários de cadeiras de rodas e forçar os pedestres a usar a ciclovia – um hábito que deixa os moradores de Amsterdã loucos. 

Embora gastar € 60 milhões em uma garagem subaquática para bicicletas ainda possa parecer um luxo impossível para a maioria das cidades do mundo, em Amsterdã isso é um bom investimento em infraestrutura. “É uma gota no balde em comparação com os investimentos para expansões de rodovias”, diz Glaser, “sem mencionar os custos sociais de saúde pública de congestionamento, acidentes de carro e dependência de carros”.

fotos: City of Amsterdam

(CityLab /Bloomberg)

Admin

01 Fevereiro 2023

Mobilidade

Comentários

Destaque

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (25) proposta que obriga os fabricantes e importadores de bicicletas a fornecer aos compradores um manual com normas de circulação e infrações contidas no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), além de informações sobre direção defensiva e primeiros socorros.