14,5 KM DE CICLORROTAS E SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO PARA MANAUS

14,5 KM DE CICLORROTAS E SISTEMA DE COMPARTILHAMENTO PARA MANAUS


11 Estações de compartilhamento e 14,5 km de ciclorrotas no Centro Histórico de Manaus, fazem parte de um projeto de transformação dos espaços e da recuperação urbana da capital amazonense. Aposta na mobilidade urbana e no turismo colocam a bicicleta em destaque


O centro de Manaus passou por uma transformação, no mês de abril foram inaugurados 14,5 km de ciclorrotas e mais 110 bicicletas foram distribuídas em 11 estações de compartilhamento localizadas em lugares emblemáticos da capital amazonense, como o Mercadão, a centenária avenida Eduardo Ribeiro, a Igreja N.S. dos Remédios, a Praça do Congresso, a Beneficente Portuguesa entre outros pontos da cidade.

Ao mesmo tempo que estamos promovendo um redesenho no Centro, com projetos na Praça da Matriz, por exemplo, transformando espaços e realizando recuperação urbana, estamos investindo na qualidade de vida. E o Manôbike será mais uma motivação para moradores, visitantes e turistas para pedalar seja a lazer ou para percurso de trabalho e para encontrar pessoas”, declarou o presidente do Implurb, engenheiro Claudio Guenka.
Os 14,5 quilômetros de ciclorotas receberam sinalização horizontal e vertical, num grande quadrilátero no Centro, para garantir maior segurança dos ciclistas. Vale destacar que as ciclorrotas indicam a presença e a preferência da bicicleta. Essa alternativa tem sido uma solução adotada por várias cidades para projetos de ciclomobilidade, sendo um modelo mais simples, fácil de implantar e com pouco impacto viário.
Ainda segundo o presidente do Implurb, Claudio Guenka: “Esse é o começo de um novo modelo, onde o importante é promover o respeito mútuo entre os usuários do trânsito. O uso da bicicleta vem como alternativa sustentável de mobilidade, além de favorecer a prática de atividade física, de lazer e, consequentemente, de mais qualidade de vida. Futuramente, queremos ampliar o uso do Manôbike e das ciclorrotas para outras áreas da capital”.
A operação do sistema Manôbike será feita pela Samba Transportes Sustentáveis, do Grupo Serttel, com patrocínio da Hapvida. A empresa assinou Termo de Cooperação com a prefeitura, após sair vencedora do edital de Chamamento Público lançado pelo Implurb. O compartilhamento viário é assegurado pelo Código Brasileiro de Trânsito (CBT), que orienta ainda que a preferência é do menor modal para o maior – pedestres, ciclistas, carros, caminhões, ônibus e outros.
“É um ciclo de investimento que atrai o turismo, ajuda na mobilidade urbana e ainda promove a prevenção na saúde, porque a prática da pedalada pode prevenir o aparecimento de doenças como diabetes e hipertensão. Sem dúvida, Manaus só tem a ganhar com essa iniciativa”, completou a superintende regional da Hapvida, Tarita Guilhon.
Antes de colocar em funcionamento o Manôbike, a Prefeitura, em parceria com diversos grupos de ciclistas , lançou no início do ano, a campanha publicitária “No Trânsito eu Compartilho Respeito” com o objetivo de preparar e sensibilizar os motoristas para que respeitem e compartilhem com os ciclistas as ruas da cidade.


Fotos: Alex Pazuello / Semcom-Manaus
 

(Semcom-Manaus)

Admin

26 Abril 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

No Rio Grande do Sul legisladores aprovam projeto de lei que prevê ciclovias em todos os projetos rodoviários ou em estradas em fase de construção