UNIÃO EUROPEIA JÁ PENSA NA REGULAMENTAÇÃO DE PATINETES ELÉTRICOS

UNIÃO EUROPEIA JÁ PENSA NA REGULAMENTAÇÃO DE PATINETES ELÉTRICOS

Os patinetes elétricos são uma realidade mundial e estes já se encontram em praticamente todas as grandes cidades; seu uso também cresceu de forma vertiginosa. E com isso também houve um aumento dos acidentes, inclusive os mais graves. Na Europa as autoridades já pensam em uma normatização para exigir um mínimo de segurança para veículos elétricos leves pessoais

Uma pesquisa de mercado realizada pelo instituto Mobility Foresight aponta que só na Europa são 35 as capitais e cidades em que os patinetes elétricos passaram a ser utilizados como veículo para deslocamentos curto, o trânsito e o movimento nas ruas são o melhor sinal desse crescimento.  Porém, o grande volume desses equipamentos nas ruas, também trouxe alguns problemas, as cidades de Paris, Berlim e Madri já apontaram alguns pontos críticos. Isso tem chamado a atenção das autoridades europeias, segundo Manuel Marsilio,  gerente geral da Confederação da Indústria de Bicicletas da Europa (CONEBI), o tema será debatido muito em breve pelo bloco.

Para Marsilio,  a explosão do uso dos patinetes e um acidente fatal,  acenderam o sinal de alerta na sede do parlamento europeu, “Os patinetes elétricos muitas vezes podem atingir velocidades que vão muito além dos 25 km/h (n.d.r. velocidade limite para as bicicletas a pedalada assistida e para os veículos elétricos leves pessoais) e há uma crescente preocupação com incidentes imprevisíveis de frenagem”. O dirigente acrescenta: “Como resultado, a nível europeu, há fortes rumores de que o tema deverá ser abordado sobre as diretrizes politicas da UE , no pleno respeito pelo princípio da subsidiariedade. E tendo em conta que os patinetes elétricos foram recentemente legalizados na Alemanha e atualmente são proibidos nas estradas públicas do Reino Unido”, além disso destacou que o Comitê Europeu de Normalização – CEN  - está desenvolvendo alguns trabalhos sobre o tema.

Na Europa, há 3 anos se iniciaram os trabalhos para se obter um padrão voluntário que apontará os requisitos de segurança para os Veículos Elétricos Leves  Pessoais (PLEV’s). Os trabalhos, além da segurança do usuário, também apontam para a questão do uso e isso envolve toda a estrutura de mobilidade urbana para os patinetes, Segway e equipamentos de auto equilíbrio (de roda única). Atualmente essa ampla linha de PLEV’s é posta no mercado sem métodos de teste.

Esses PLEV’s são atualmente colocados no mercado sem métodos de teste harmonizados com base em métodos compartilhados. No mercado europeu já há algumas diretrizes, mas elas não fornecem nenhum requisito específico para esses equipamentos, nem impedem a sua comercialização, mesmo que eles ofereçam perigo ao seu condutor ou tenham desempenho ruim.  Na Alemanha , a recente legislação estabelece que usuários de patinetes devem manter um limite de velocidade de 20 quilômetros por hora e ter 14 anos ou mais.

Um ponto que ganha força nessas discussões é relativo à potência dos motores desses patinetes, que em muitos casos são equipados com motores de mais de 250W e capazes de superar a velocidades de 25km / h, e que para alguns isto se traduz em uma classificação como as das e-bikes. Para os envolvidos isso se traduz em uma ação  para proteger os usuários  que vá além do padrão de segurança como o EN 15194, aplicado às   bicicletas elétricas a pedalada assistida com corte no motor a  25 km / h.

Segundo o dirigente da COMEBI, Manuel Marsilio, “Talvez os patinetes elétricos tenham que estar dentro do atual escopo de homologação, aplicando por exemplo a ciclomotores elétricos (e-scooter e e-moped) ou outros veículos com potência superior a 250W e com motores acionados por aceleração.”.   

 

fotos: divulgação

(Fonte: Bike Europe)

Admin

04 Julho 2019

Mercado

Comentários

Destaque

Projeto prevê a criação de uma ciclovia ligando cidades do Rio Grande do sul ao vizinho Uruguai. Se o a criação da Ciclovia Internacional do Pampa, sair do papel, será a primeira inter-fronteiras do continente americano