SÃO PAULO: NOVO MODELO DE COMPARTILHAMENTO COM USO DO BILHETE ÚNICO

SÃO PAULO: NOVO MODELO DE COMPARTILHAMENTO COM USO DO BILHETE ÚNICO

Prefeitura da cidade de São Paulo quer aumentar a oferta colocando 10 mil bicicletas, levar a oferta para as periferias da cidade e ainda aproveitar o bilhete único como forma de pagamento no novo sistema

 

O prefeito da capital paulista, João Doria assinou no mês de setembro (21/09) decreto que regulamenta o sistema de compartilhamento de bicicletas na cidade de São Paulo. Segundo informações oficiais novo formato trará melhorias, como a expansão do sistema de forma a atender todas as regiões da cidade, com mais locais de retirada e devolução das bicicletas. Também está prevista uma maior conexão com o sistema de transporte público.

O novo sistema adotaria aplicativos de celulares para liberação das bicicletas, seguindo uma tendência dos modelos chineses que o prefeito conheceu em sua última viagem ao Oriente. “Voltamos muito animados depois da viagem à China com as experiências nas grandes cidades chinesas. Isso aumentou ainda mais o nosso ânimo e a vontade de expandir o programa na cidade”, disse.

O novo modelo a ser adotado pela administração pública permitira a operação de bicicletas com ou sem estações, por uma ou mais operadoras, desde que atendam às diretrizes estabelecidas no Decreto e às exigências das regulamentações suplementares. As empresas que já operam os sistemas terão 180 dias para aderir às novas regras do decreto.

Segundo a prefeitura o novo sistema trará melhorias à população, segundo o decreto:

- Empresas que operarem o serviço na região central terão de oferecer bicicletas também em bairros mais afastados. Atualmente o compartilhamento de bicicletas está concentrado no Centro e na Zona Oeste da cidade;

- As operadoras do sistema também vão precisar instalar estações de retirada e de devolução de bicicletas próximas a terminais de ônibus municipais e estações de Metrô e da CPTM, além de promover a interligação à rede cicloviária municipal.  Atualmente, muitos desses locais de retirada ainda não oferecem essa integração;

- Todas as operadoras que participarem do sistema precisarão garantir liberação das bicicletas aos usuários também por meio do Bilhete Único;

- As bicicletas poderão ficar alocadas em estações próprias dos operadores, bicicletários, ou paraciclos. A implantação desses locais deverá atender às regras da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU);

- As empresas credenciadas para operar os sistemas terão de fornecer os equipamentos obrigatórios, nos termos da legislação aplicável;

- Entre as novas diretrizes para compartilhamento de bicicletas estará o estímulo à integração entre os sistemas de maneira a não segmentar as diferentes redes de operação;

- Será preciso também criar uma ferramenta de avaliação para os usuários, além de fornecer comprovante eletrônico contendo informações como origem e destino da viagem, tempo total do percurso e o preço total pago. Hoje, o usuário recebe um comprovante apenas com o valor pago pelo uso da bicicleta;

Apesar da divulgação o plano ainda não tem uma data prevista para a sua colocação em funcionamento, um dos motivos está na preocupação da Prefeitura com os locais aonde as  bicicletas serão deixadas, afinal o sistema não prevê estações  para guardá-las. "Nós teremos muito cuidado com isso para que as calçadas não sejam afetadas na sua acessibilidade, para que os pedestres não tenha diminuída a sua acessibilidade". Declarou o secretário de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda que acredita que possam ser utilizadas áreas delimitadas para o estacionamento das bicicletas.  “As estações próximas aos terminais nos bairros mais afastados do Centro também poderão contar com o serviço de forma diferenciada. O usuário, por exemplo, poderá pegar a bicicleta no terminal, ir com ela para casa e devolver no dia seguinte. Esse conceito é chamado de última milha, ou seja, o último trecho do trajeto realizado pelo transporte não motorizado”, explica Sérgio Avelleda.

A Prefeitura exigirá das operadoras a coleta de dados relativos às viagens e informações que serão revertidas no desenvolvimento de políticas públicas do sistema cicloviário. As bicicletas terão de ser padronizadas com identidade visual própria que permitam a identificação tanto por parte dos usuários, quanto da fiscalização. O sistema obriga as empresas credenciadas a desenvolverem novas tecnologias para aperfeiçoar o sistema. Em contrapartida os operadores poderão explorar a publicidade nas bicicletas e nos espaços delimitados para o estacionamento das bicicletas,

O modelo jurídico definido pela Secretaria Municipal de Transportes  foi a permissão mediante credenciamento de Operadoras de Tecnologia de Transporte Credenciadas (OTTCs). Ainda não foram publicados os parâmetros para o credenciamento das operadoras e nem os preços a serem cobrados pelo uso do sistema pelo cidadão e nem quanto a prefeitura receberia

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Foto: Heloisa Ballarini/Secom

(Prefeitura de São Paulo)

Admin

09 Outubro 2017

Mercado

Comentários

Destaque

Os cidadãos de Fortaleza ganham mais 5,8 km de ciclovias. Acidade passou dos 72,9 quilômetros, ao final de 2012, para os atuais 191 quilômetros de rede cicloviária. Até o final deste ano, a meta é expandir ainda mais para um total de 216 quilômetros de fluxo seguro aos ciclistas.