PROJEÇÕES DE FUTURO APONTAM QUE NA EUROPA ATÉ 2030 SERÃO COMERCIALIZADAS DUAS BICICLETAS PARA CADA CARRO

PROJEÇÕES DE FUTURO APONTAM QUE NA EUROPA ATÉ 2030 SERÃO COMERCIALIZADAS DUAS BICICLETAS PARA CADA CARRO

Os impactos que o Coronavírus está provocando no dia a dia nos hábitos das pessoas em muitos lugares do mundo, sente-se com grande intensidade no mercado de bicicletas,  e a Europa é o melhor exemplo disso. Nos primeiros dias de dezembro organizações do setor realizaram Market Outlook & Perspectivas Webinar trazendo importantes informações sobre o futuro da bicicleta para o setor

No evento virtual promovido pela  World Bicycle Industry Association – WBIA, a Ferderação Mundial da Indústria de Artigos Esportivos – WFSGI, a Cycling Industries Europe – CIE , a Confederação Europeia da Indústria da Bicicleta – Conebi ,  a Federação dos Ciclistas da Europa e a organização PeopleForBikes  revelaram que a pandemia e o crescimento vertiginoso na venda de bicicletas funcionou como um catalisador político para os investimentos em bicicleta, alterando de forma impactante a curva de crescimento desse mercado.

Estima-se que os europeus até 2030,  nas vendas combinadas de bicicletas e e-bikes (bicicletas elétricas a pedalada assistia),  tenham um aumento de 47% nas vendas em comparação com os números de 2019. As e-bikes, na Europa, foram as maiores impulsionadoras do mercado, com um aumento de 23% de aumento nas vendas entre 2019 e 2020, mesmo com muitas lojas terem permanecido fechadas durante a primavera no hemisfério norte.

 No ano passado foram comercializadas 3,7 milhões de e-bikes, para 2030 os especialistas estimam que as vendas nos países da comunidade europeia e do Reino Unido cheguem a 17 milhões de unidades. Nas previsões futuras, quando somadas às demais bicicletas (modelos tradicionais, estradeiras, mountain bikes, infantis) temos cerca de 30 milhões de unidades por ano, o que levará as vendas de bicicletas a mais de duas vezes o número de automóveis de passageiros atualmente emplacados por ano na União Europeia.

O trabalho também trouxe um dado interessante, a queda nas vendas das bicicletas tradicionais que vinham sendo substituídas por e-bikes nos últimos anos, parou e inclusive reverteu esses números sinalizando um uma perspectiva de aumento de 4% e que por dois anos esse mercado se mantenha estável, antes de que uma nova redução. A necessidade de trocar as academias pelas bicicletas, o seu uso para o lazer ou deslocamentos e a implementação de infraestruturas mais seguras por toda a Europa contribuíram para esse crescimento. Desde março os governos europeus investiram mais de um bilhão de euros em infraestrutura, criando mais de 2300 km de novas ciclovias.

O crescimento mundial do uso da bicicleta fica muito claro e real quando se percebe que o Google Maps registrou um aumento global de 69% no número de buscas de rotas de bicicleta entre fevereiro e junho deste ano. Em países como Finlândia e Polônia essas buscas quadruplicaram. Além disso, o número de viagens em bicicletas registradas pelo aplicativo Strava, na cidade de Berlim aumentou 56% em abril deste ano em comparação com o mesmo período de 2019. A cidade de Barcelona teve um aumento de 82% entre junho de 2019 e junho de 2020, enquanto Liverpool registrou um aumento de 222 % entre maio de 2019 e maio de 2020.

(ECF - European Cyclists Federation)

Admin

09 Dezembro 2020

Mercado

Comentários

Destaque

Atingir 6% da participação da bicicleta nos deslocamentos públicos de Belo Horizonte até o ano de 2020, é o compromisso firmado pelo prefeito da cidade que vai levar adiante o PlanBici