MKT Esportivo: ESTUDO APRESENTA IMPACTO DOS PRINCIPAIS EVENTOS DO CICLISMO MUNDIAL

MKT Esportivo: ESTUDO APRESENTA IMPACTO DOS PRINCIPAIS EVENTOS DO CICLISMO MUNDIAL

Um estudo recente publicado pela UCI – União Ciclística Internacional encomendado à EY – Ernst & Young LLP apresenta o impacto dos 4 principais  eventos esportivos, organizados pela entidade em 2018 – os mundiais de Pista em Apeldoorn, o de ciclismo em Innsbruck, o de Mountain Bike em Lenzerheide e o de Gran Fondo em Varese produziram um impacto econômico de  60 milhões de euros. Ao todo a entidade, no ano passado,  realizou eventos em 24 países, nos cinco continentes nas várias modalidades do ciclismo; as competições atraíram cerca de 10 mil esportistas de 98 países.

No mundo da bicicleta, esses eventos estão entre os maiores eventos esportivos da temporada, seja para os torcedores como para os competidores, tendo o mais alto nível de disputa.

O estudo busca destacar que além do lado desportivo, as cidades e regiões que sediam esses eventos tem ganhos muito significativos, impulsionando a economia local e também à sua imagem. O trabalho da EY, apontou os Campeonatos Mundiais da UCI em estada, pista, mountain bike e os Gran Fondos, eventos de participação massiva e que vem ganhando participantes em todo o mundo.  

O estudo constatou que esses quatro eventos geraram 60 milhões de euros adicionais em atividade econômica para as economias locais das cidades e regiões anfitriãs. Um dos destaques desse estudo  foi o Campeonato Mundial de Ciclismo de Estrada, que em 2018, ano utilizado para o estudo, foi realizado na região do Tirol, em Innsbrruck, na Áustria que contribuiu com 40 milhões de euros (R$ 182 milhões) para o PIB da cidade e região, o que por lá equivaleria a criação de 720 novos empregos no período de um ano. Os visitantes foram responsáveis por 89% do impacto. 

Um dos setores mais beneficiados foi o hoteleiro onde cada visitante estrangeiro gastou em média 74 euros por noite, como parte de um gasto médio diário de 114 euros (R$ 518). A capital do Tirol conseguiu uma grande visibilidade graças a audiência das transmissões   com mais de 250 milhões de telespectadores em 100 países, e o dado muito importante revelado pelo estudo é de desses telespectadores um 60% teria interesse em visitar a região.

Os dados positivos se repetiram em praticamente todos os eventos que fizeram parte do estudo. O Mundial de ciclismo em Pista, realizado em Apeldoorn, na Holanda, teve um impacto de 2,3 milhões de euros, o Mundial de MTB em Lenzerheide, Suíça, com 11,5 milhões de euros e o Mundial de Gran Fondo, em Varese, na Itália com um impacto de 4,4 milhões.

Sobre os resultados do estudo, Peter Arnold, um parceiro da equipe de assessoria econômica da EY, no Reino Unido, destacou: “Os eventos de ciclismo têm potencial de gerar benefícios econômicos significativos para as regiões anfitriãs, conforme ilustrado pela variedade de exemplos apresentados neste relatório. O amplo apelo desses eventos e sua capacidade de envolver o público local e internacional podem torná-los uma ótima plataforma para as regiões anfitriãs. Ao estabelecer conexões com visitantes e espectadores, e ao alinhar esses eventos às metas econômicas e sociais locais, eles podem ter um impacto amplo e duradouro em uma área local’.

O francês David Lapartient,   presidente da UCI,  destacou o impacto dos eventos na região destacando que os mais diferentes eventos da entidade atraem diferentes públicos e exigem diferentes níveis de suporte operacional e investimento para alcançar o sucesso, mas os eventos de ciclismo geram impactos significativos: “o estudo realizado pela EY em colaboração com a UCI confirmou o impacto econômico direto e indireto extremamente positivo que nossos eventos geram durante e após a competição. Nossas Copas do Mundo e nossos Campeonatos do Mundo proporcionam aos atletas um palco magnífico para competir e também são fortes impulsionadores do desenvolvimento econômico, em termos de ciclismo e turismo, nas regiões que os hospedam”.

O estudo não traz dados sobre os impactos sociais ou sobre a repercussão dos eventos no mercado de bicicletas, porém destaca que há evidências que essas ações sejam forte incentivo para que mais pessoas passem a fazer atividades físicas e busquem o bem estar, e indiretamente, também sendo incluídas no mercado consumidor.

Link para o estudo da UCI sobre o impacto econômico dos eventos de ciclismo:

https://www.dropbox.com/s/tap23q08kv0yo13/2018%20EY%20report_The%20economic%20impact%20of%20major%20UCI%20cycling%20events.pdf?dl=0

(UCI)

Admin

02 Outubro 2019

Mercado

Comentários

Destaque

Os cidadãos de Fortaleza ganham mais 5,8 km de ciclovias. Acidade passou dos 72,9 quilômetros, ao final de 2012, para os atuais 191 quilômetros de rede cicloviária. Até o final deste ano, a meta é expandir ainda mais para um total de 216 quilômetros de fluxo seguro aos ciclistas.