EUROBIKE ATRAIU MAIS VISITANTES DO SETOR E SE REPOSICIONA, DE EVENTO PARA REVENDEDORES DE BICICLETAS PARA UM SHOW VOLTADO À INDÚSTRIA

EUROBIKE ATRAIU MAIS VISITANTES DO SETOR E SE REPOSICIONA, DE EVENTO PARA REVENDEDORES DE BICICLETAS PARA UM SHOW VOLTADO À INDÚSTRIA

Os organizadores de feiras em todo mundo encontram-se em um momento de reinvenção de seus negócios, a evolução da internet, a velocidade da informação estão provocaram grandes mudanças em todos os setores, com  a indústria da bicicleta não foi diferente, e para que acompanha esses eventos pelo mundo a cada edição foi possível perceber essa tendência com feiras abrindo-se ao consumido final ou transformando-se em festivais, com grandes marcas de bicicletas muitas vezes ficando de fora dessas feiras, mudanças de datas. Ainda não há uma solução definitiva, mas é sempre importante acompanhar esse movimento.

Segundo dados da organização da 28ª Eurobike, realizada em Friedchshafen, na Alemanha, atraiu um número 6,6% maior de visitantes que na edição anterior. Durante os 4 dias de evento a feira atraiu 39.834 visitantes ligados aos negócios da bicicleta, contra os 37.379 de 2018. O último dia do evento, em que a feira é aberta ao público 21.240 consumidores circularam pelos corredores e estandes a feira.

A Eurobike reuniu mais de 1.400 expositores que apresentaram seus produtos para um público de 99 países. Mais uma vez, e marcando a tendência do mercado europeu as e-bikes foram a grande atração, com muitos novos lançamentos e atualizações de produtos. No mercado alemão as bicicletas a pedalada assistida terão um crescimento de aproximadamente 12% ou algo próximo a 1,1 milhão de unidades.

Na Europa o mercado de e-bikes, deve chegar até 2025 a 7 milhões de unidades. Pessoas ligadas ao setor, declararam durante a Eurobike que essa pode ser uma previsão conservadora e que a participação das bicicletas a pedalada assistida no total das bicicletas comercializadas na Europa atinja 50% do volume total., o que representaria em um mercado de 20 milhões ano um volume de 10 milhões de e-bikes.  Um outro dado interessante revelado pela CONEBI – Confederação da Indústria Europeia da Bicicleta é de que 70% desse total de e-bikes comercializadas serão produzidas na União Europeia, apontando efetivamente para o reshoring, onde as marcas locais realocam suas produções para perto de suas sedes, apostando na logística, com redução de prazos de entrega, flexibilização da cadeia de suprimentos, possibilidade de customização de modelos .

Ao lado das e-bikes que se posicionam como a grande alternativa para a mobilidade urbana, também ganharam destaque as bicicletas de carga que cada vez mais vem ganhando espaço junto a empresas de logística nas grandes cidades europeias; segundo os organizadores do evento, o número de expositores dobrou em relação a 2018.

Outro setor que teve um volume expressivo de novidades e de popularidade é o do ciclismo indoor como muitos lançamentos de roller trainings (rolos de treinamento) e bicicletas estacionarias de alta tecnologia, com novidades interativas que colocam levam o usuário a uma avançada realidade virtual pra a pratica do esporte.

Por outro lado, foi possível constatar, a exemplo do que acontece em outros shows/exposições que as grandes marcas, líderes do mercado não montaram suas estruturas nesses eventos. Porém há que argumente que isso não afeta a importância e o interesse pela feira, pois seus gerentes de produto, desenvolvimento e marketing  e os responsáveis por compras dessas empresas compareceram em peso, some a esse pessoal as pequenas marcas, atacadistas e distribuidores a feira continua sendo uma referencia internacional.

Em 2020 a Eurobike já tem data marcada, será como de costume em Friedrichshafen, na Alemanha, de 2 a 5 de setembro.

 

fotos: Eurobike/divulgação

 

(Eurobike)

Admin

13 Setembro 2019

Mercado

Comentários

Destaque

Fortaleza receberá projeto piloto que será utilizado como referência para a criação e desenvolvimento da infraestrutura ciclística em outros municípios. Dinheiro virá do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Ministério das Cidades