DISPUTA EUA-CHINA: ESPERANÇAS DE ACORDO AUMENTAM COM POSSÍVEL FLEXIBILIZAÇÃO DE TARIFAS

DISPUTA EUA-CHINA: ESPERANÇAS DE ACORDO AUMENTAM COM POSSÍVEL FLEXIBILIZAÇÃO DE TARIFAS

A possibilidade de um acordo que flexibiliza as disputas comerciais entre os Estados Unidos e a China, impactou de forma positiva em todo o mundo. A perspectiva de um acordo elevou as bolsas de valores a níveis mais altos de todos os tempos e levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a dizer que um acordo para aliviar as tensões comerciais entre os EUA e a China poderia convencer seus funcionários a revisar as previsões de crescimento global no próximo ano.

As autoridades chinesas confirmaram que estavam iniciando um acordo comercial com os EUA,  o que forçará Pequim a encerrar uma moratória nas compras de alguns produtos agrícolas dos EUA, como soja, em troca de Washington aplicaria tarifas mais brandas sobre as importações chinesas.

Segundo o ministério chinês, se a primeira fase do acordo com os EUA for assinado, as taxas também serão retiradas, de acordo com as negociações que estão em andamento. Mas quando e onde essa primeira fase do acordo será assinado ainda não está claro. No entanto, as declarações claras feitas pelo Ministério do Comércio da China apontam pelo menos para o fato de que há progresso nas negociações entre os dois países. .

"Nas últimas duas semanas, os principais negociadores tiveram discussões sérias e construtivas e concordaram em remover as tarifas adicionais em fases, à medida que se avança no acordo", disse o porta-voz, Gao Feng. "Se a China e os EUA chegarem a um acordo de fase um, ambos os lados devem reverter tarifas adicionais existentes na mesma proporção simultaneamente".

Pequim está tentando reverter tarifas em até US $ 360 bilhões em importações chinesas - incluindo roupas, carne e eletrodomésticos - antes de Xi Jinping concordar em ir aos EUA para assinar um acordo comercial parcial com Donald Trump. Os negociadores chineses querem que Trump abandone as tarifas de cerca de US $ 110 bilhões em mercadorias impostas em setembro,  e reduza a taxa tarifária de 25%, iniciada no ano passado  em cerca de US $ 250 bilhões em produtos chineses.

Um porta-voz do FMI disse que um acordo comercial provisório para reverter algumas tarifas, tem o potencial de melhorar as previsões econômicas para 2020. Alguns seus economistas do Fundo,  já haviam demonstrado que a guerra comercial dos dois países desacelerou significativamente o crescimento global este ano.

A taxação repercutiu fortemente no setor das bicicletas, com alguns componentes tendo seu custo elevado em até 5 vezes.  Para algumas empresas o resultado foi certo desabastecimento e aumento dos custos, em alguns casos provocados pela necessidade se se procurar fornecedores alternativos, em outros países da Ásia.

(Fonte: The Guardian/Bike Europe)

Admin

14 Novembro 2019

Mercado

Comentários

Destaque

Cidades da Alemanha, Dinamarca e duas cidades brasileiras competem pela redução de CO² no dia de Pedalar pelo Município. Evento faz parte do projeto “50 parcerias pelo Clima: Brasil e Alemanha”, que tem o objetivo de desenvolver programas de ação para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas.